Memórias e experiências do fazer-se professor(a) de séries iniciais, no município de Rio dos índios/RS (1960-1970)

Autores

  • Elison Antonio Paim UFSC
  • Gilberto Luiz Salini

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v19i40.3744

Resumo

O presente trabalho constitui-se de uma pesquisa sobre o fazer-se professor(a) de séries iniciais na área rural do município de Rio dos Índios (Rio Grande do Sul) que teve seu processo de colonização datado de meados do século XX, marcado principalmente pela atividade madeireira e que traz em seu bojo o processo educacional. A pesquisa apoiou-se principalmente nas fontes orais, por meio de entrevistas que trouxeram à tona as rememorações dos professores; nessas, procuraram-se indícios de como se constituíram esses sujeitos educacionais em seus espaços de trabalho, do seu cotidiano, de seus medos, de suas conquistas, enfim, de suas lutas diárias, processo que passava pela esteira da história de seus alunos. Buscou-se também evidenciar a contribuição desses sujeitos históricos para a constituição da história do município, quase sem registros, e que, portanto, precisava ser salvaguardada, por meio dessas histórias vivas que precisam e querem ser ouvidas. 

Biografia do Autor

Elison Antonio Paim, UFSC

Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e do Mestrado Profissional em Ensino de História (Profhistória-UFSC) da Universidade Federal de Santa Catarina. Doutor em Educação pela Unicamp e Mestre em História pela PUC-SP. Membro dos grupos de pesquisa Pameduc (UFSC), Rastros (USF) e Kairós (UNICAMP).

Gilberto Luiz Salini

Professor de História da Rede Pública Municipal de Rio dos Índios - RS e Responsável pelo Museu Municipal Otacílio Tizziani. Graduado em História pela Unochapecó e Especialista em História Regional Pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Campus Chapecó.

Publicado

2017-07-24

Edição

Seção

ARTIGOS