O papel das crianças na construção e reconstrução da cultura em contextos não formais de Moçambique

Autores

  • Roselete Fagundes de Aviz

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v16i33.2844

Palavras-chave:

Estágio Curricular, Postura, Diretrizes, Conhecimentos, Investigações e Mercado de Trabalho.

Resumo

O presente texto propõe reflexões sobre as vozes das crianças, suas relações com os espaços e lugares existenciais que possuem representações simbólicas. Nas narrativas que as crianças produzem efetuam um trabalho que, incessantemente, transforma lugares em espaços e espaços em lugares. As crianças falam de valores, crenças e costumes que se alteram e se modernizam de acordo com os novos símbolos e informações que adentram a comunidade. Neste sentido, não poderíamos considerar as crianças como indutoras da interpretação e transmissão na comunidade? Pois pela atividade narrativa, é possível efetuar operações estratégicas de (re)invenções de mundos duráveis, pois, mais do que apresentar algo, a narrativa constitui-se como ‘a arte de fazer’: ela não somente mostra, ela faz algo no mundo. Quando se fala da voz de um povo, fala-se de uma miscigenação cultural civilizacional e ética. É nesse fazer que a voz se mostra como canto de um povo. E dentre essas vozes, estão as das crianças.

______________________________

Resumen

El presente texto propone reflexiones sobre las voces de los niños, sus relaciones con los espacios y lugares existenciales que poseen representaciones simbólicas. En las narrativas que los niños producen efectúan un trabajo que, incesantemente, transforma lugares en espacios y espacios en lugares. Los niños hablan de valores, creencias y costumbres que se alteran y se modernizan conforme los nuevos símbolos e informaciones que adentran en la comunidad. En este sentido, podríamos considerar los niños como inductores de la interpretación y transmisión en la comunidad? Una vez que a través de la actividad narrativa es posible efectuar operaciones estratégicas de reinvención de mundos durables, pues, más que presentar algo, la narrativa se constituye como “el arte de hacer”: ella no solamente enseña, sino que hace algo en el mundo. Cuando se habla de la voz de un pueblo, se habla de una miscegenación cultural civilizacional y ética. Es en este hacer que la voz se demuestra como el canto de un pueblo. Y entre estas voces, están las de los niños.

Palabras Clave: Voz. Escucha. Niños. Transmisión. Cultura

Downloads

Publicado

2015-07-20

Edição

Seção

ARTIGOS