Participação das famílias na escola e contribuições da Psicologia Escolar na mediação desta relação

Autores

  • Patrícia Sabina Marafon Unochapecó
  • Celso Francisco Tondin

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v12i25.1223

Resumo

O artigo relata pesquisa que teve como tema a participação da família na escola pública e as possíveis contribuições da Psicologia Escolar crítica na mediação da relação família-escola. O referencial teórico-metodológico utilizado foi o da Análise Institucional e o estudo realizou-se por meio da pesquisa-intervenção em uma escola da rede pública estadual localizada em um município da região oeste de Santa Catarina. Evidenciou-se na pesquisa que a maioria das práticas de participação existentes na escola se refere à frequência dos familiares a reuniões, entregas de boletins e confraternizações, bem como, em menor escala, ao Conselho Escolar e na organização das confraternizações. Os familiares dizem que têm passado a procurar a escola por iniciativa própria a fim de acompanharem a vida escolar dos filhos, mas os profissionais consideram que há famílias que não participam a contento. Os contatos entre escola e família são sentidos, especialmente pelos familiares, como de proximidade e de abertura. A Psicologia Escolar crítica pode atuar como mediadora da relação escola-família no sentido de contribuir para a criação de dispositivos de participação que possibilitem o exercício da atividade decisória de todos, superando a ideia de participação como mero sinônimo de frequência e colaborando para a construção de sujeitos democráticos.

Edição

Seção

ARTIGOS