GESTÃO RELACIONAL E APRENDIZAGEM EM CONTEXTOS BANCÁRIOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v15i2.5554

Palavras-chave:

Gestão Bancária. Gestão Relacional. Aprendizagem Organizacional. Relações de Trabalho. Construção Social.

Resumo

Objetivo: O objetivo deste artigo é compreender como as práticas de gestão bancária articulam formas de aprendizagem relacional.
Método/abordagem: Realizamos uma pesquisa qualitativa, na qual quatro gestores bancários de diferentes instituições foram entrevistados. Adotamos a entrevista semiestruturada como técnica de coleta de dados, assim como a análise de conteúdo a posteriori como técnica de interpretação de dados.
Principais Resultados: Os resultados revelam que os gestores são “atores práticos” que aprendem através de suas reflexões sobre/nas ações cotidianas, não estando o saber e o fazer dissociados.
Contribuições teóricas/práticas/sociais: Contribuir para o campo da Administração e dos Estudos Organizacionais e de gestão por meio da análise de realidades práticas de gestores bancários; assim como por meio da compreensão das práticas locais de gestão bancária para além da racionalidade instrumental, o que abarca aspectos relacionais, históricos, políticos, simbólicos, sociais e culturais.
Originalidade/relevância: Ressalta-se a importância da interação social entre os gestores bancários e os demais atores (perfis diversos de clientes, outros profissionais, etc.), assim como da aprendizagem relacional na gestão e no cotidiano bancário.

Biografia do Autor

Filipe Cabacine, Instituto Federal do Espírito Santo (IFES - Campus Linhares)

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). Mestre em Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo (PPGADM/UFES).

Roberto Rodrigues de Souza Junior, Universidade Vila Velha (UVV)

Mestre em Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo (PPGADM/UFES)

Ana Carolina Júlio, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutora em Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo (PPGADM/UFES)

Felipe Rodrigues Delmiro de Sousa, ItaúBBA

Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Assistente Comercial no ItaúBBA.

Referências

Adorisio, A. (2014). Organizational remembering as narrative: ‘Storying’ the past in banking. Organization, 21(4), 463-476. https://doi.org/10.1177/1350508414527248

Allen, S., Cunlife, A. & Easterby-Smith, M. (2019). Understanding sustainability through the lens of ecocentric radical-reflexivity: implications for management education. Journal of Business Ethics, 154(1), 781-795. https://doi.org/10.1007/s10551-016-3420-3.

Amorim, W., et.al. (2015). Políticas de educação corporativa e o processo de Certificação bancária: distintos atores e perspectivas. Revista Eletrônica de Administração, 82(3), 622-647. https://doi.org/10.1590/1413-2311.0012015.54926.

Antonello, C. & Godoy, A. (2010). A encruzilhada da aprendizagem organizacional: uma visão multiparadigmática. Revista de Administração Contemporânea, 14(2), 310-332. https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000200008.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bauer, M. W. & Gaskell, G. (Orgs.). (2000). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Berger, P. & LuckmaN, T. (2004). A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes.

Brandi, U. & Elkjaer, B. (2011). Organizational learning viewed from a social learning perspective. In: Easterby-Smith, M.; Lyles, M. A. (Org.). Handbook of Organizational Learning & Knowledge Management. West Sussex: Wiley.

Cabral, P. et al. (2017). Motivação, comprometimento e exaustão no trabalho: uma análise sobre o trabalhador bancário. Revista Alcance, 24(4), 535-553. https://doi.org/10.14210/alcance.v24n4(Out/Dez).p535-553.

Carli, D. & Frizon, J. (2020). Efeito mediador do person-organization fit na relação entre práticas de gestão das relações interpessoais e índices de turnover. RGO - Revista Gestão Organizacional, 13(2), 162-187. http://dx.doi.org/10.22277/rgo.v13i2.

Carrijo, D. & Navarro, V. (2009). LER e planos de demissão voluntária: trajetórias de dor e sofrimento entre bancários. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(1), 157-17. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v12i2p157-171.

Cooper, R. & Burrel, G. (1988). Modernism, Postmodernism and Organizational Analysis: An Introduction. Organization Studies, 9(1), 91-112. https://doi.org/10.1177/017084068800900112.

Cunlife, A. (2001). Managers as practical authors: reconstructing our understanding of management practice. Journal of Management Studies, 38(31), 351-371. https://doi.org/10.1111/1467-6486.00240.

_____. (2014). A very short, fairly interesting and reasonably cheap book about management. London: Sage.

_____. (2019). Reflexividade no ensino e pesquisa de estudos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 60(1), 64-69. https://doi.org/10.1590/S0034-759020200108.

Dardot, P. & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo.

Dejours, C. A (2013). A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, 33(2), 9-28.

Denzin, N. K. & Lincoln, Y. S. (Orgs.). (2011). The sage handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage.

Duarte, M. & Medeiros, C. (2019). Pop-Management: 15 anos depois – a incorporação do pop-management no trabalho de executivos de grandes empresas. Cad. EBAPE.BR, 17(1), 187-198. http://dx.doi.org/10.1590/1679-395169212

Durante, D., et al. (2019). Aprendizagem organizacional na abordagem dos estudos baseados em prática: revisão da produção científica. Revista de Administração Mackenzie, 20(2), 1-27. https://doi.org/10.1590/1678-6971/eramg190131

Drucker, P. (1986). Management: tasks, responsabilities, practices. New York: Truman Talley Books.

Engeström, Y. & Sannino, A. (2012). Whatever happened to process theories of learning? Learning, Culture and Social Interaction, 1(1), 45-56. https://doi.org/10.1016/j.lcsi.2012.03.002.

Easterby‐Smith, M., Crossan, M. & Nicolini, D. (2000). Organizational learning: debates past, present and future. Journal of management studies, 37(6), 783-796.

Fontana. A. & Frey, J. (2011). The interview: from neutral stance to political involvement. In: Denzin, N. K. & Lincoln, Y. S. (Orgs.) The sage handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage.

Fournier, V. & Grey, C. (2006). Na Hora da Crítica: Condições e Perspectivas para Estudos Críticos de Gestão. RAE-Revista de Administração de Empresas, 46(1).

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias & Letras.

Gergen, N. K. (1985). The social constructionist movement in modern psychology. American Psychology, 40(3), 266-275.

Goés, A. & SouzA, M. (2008). A transformação da prática do bancário e a exigência de múltiplas competências. Revista de Administração Contemporânea, 2(1), 123-140.

Gonçalves, W. & Corrêa, D. (2018). Perspectiva do conceito de valor agregado: um panorama segundo especialistas e gestores de pessoas de indústrias e organizações diversificadas. RGO - Revista Gestão Organizacional, 11(2). https://doi.org/10.22277/rgo.v11i2.4313.

GorlI, M., Nicolini, D. & Scaratti, G. (2015). Reflexivity in practice: Tools and conditions for developing organizational authorship. Human Relations, 68(8), 1-29. https://doi.org/10.1177/0018726714556156.

Grey, C. (2004). O fetiche da mudança. Revista de Administração de Empresas, 44(1), 1-16.

Grisci, C. et al. (2006). Nomadismo involuntário na reestruturação produtiva do trabalho bancário. Revista de Administração de Empresas, 46(1), 27-40. https://doi.org/10.1590/S0034-75902006000100004.

Han, B. (2017). Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes.

Junquilho, G. (2001). Gestão e ação gerencial nas organizações contemporâneas: para além do “folclore” e o “fato”. Gestão & Produção, 8(3), 304-318. https://doi.org/10.1590/S0104-530X2001000300007.

Krippendorff, K. (1990). Metodología de análisis de contenido: teoría y práctica. Barcelona: Paidós.

Korica, M., Nicolini, D. & Johnson, B. (2017). In search of managerial work: past, presente and future of an analytical category. International Journal of Management Reviews, 19(2), 151-174. https://doi.org/10.1111/ijmr.12090

Lapierre, L. (2005). Gerir é criar. Revista de Administração de Empresas, 45(4), 108-117. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902005000400008.

Lennie, I. (1999). Beyond management. London: Sage.

Oltramari, A. & Lorenzato, S. (2012). Dilemas da carreira sem fronteira: um estudo de caso com gerentes bancários. Revista Carreira e Pessoas, 2(3), 2-19. https://doi.org/10.20503/recape.v2i3.13762.

Paula, A. (2016). Em busca de uma ressignificação para o imaginário gerencial: os desafios da criação e da dialogicidade. Revista de Administração Mackenzie, 17(2), 18-41. https://doi.org/10.1590/1678-69712016/administracao.v17n2p18-41.

Poubel, L. & Junquilho, G. (2019). Para além do management: o processo de managing em uma Escola Pública de Ensino Fundamental no Brasil. Cad. EBAPE.BR, 17(3), 539-551. http://dx.doi.org/10.1590/1679-395173528.

Ripamonti, S., Gorli, M., G. & Cunlife, A. (2016). Pushing action research toward reflexive practice. Journal of Management Inquiry, 25(1), 55-68. https://doi.org/10.1177/1056492615584972.

Schön, D. (1987). Educating the reflective practitioner: toward a new design for teaching and learning in the professions. San Francisco: Jossey-Bass.

Sennet, R. (2006). A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

_____. (2005). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Silva, C., Melo, M. & Marra, A. (2014). Relações de poder em uma instituição financeira. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(1), 237-250.

Siqueira, M., Dias, C. & Medeiros, B. (2019). Solidão e trabalho na contemporaneidade: As múltiplas perspectivas de análise. Revista de Administração Mackenzie, 20(2), 1-24. https://doi.org/10.1590/1678-6971/eramg190058.

Souza, F., Lemos, A. & Silva, M. (2020). Metamorfoses de um discurso: carreiras sem fronteiras e o novo espírito do capitalismo. Organizações & Sociedade, 92(27), 95-112. https://doi.org/10.1590/1984-9270925.

Tenorio, F. (2009). Pensamento crítico versus Pensamento tradicional. Cad. EBAPE.BR, 7(3), 525-526. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512009000300011.

Tiecher, B. & Diehl, L. (2017). Qualidade de vida no trabalho na percepção de Bancários. Pensamento & Realidade, 1(4), 47-60.

Watson, T. (2001). The emergent manager and processes of management pre-learning. Management Learning, 32(2), 221-235. https://doi.org/10.1177/1350507601322004.

______. (2005). Organização e trabalho em transição: da lógica “sistêmico-controladora” à lógica “processual-relacional”. Revista de Administração de Empresas, 45(1), 14-23. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902005000100003.

Publicado

2022-05-10