A MODA COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO:

um estudo das narrativas das estudantes de Pedagogia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.6832

Palavras-chave:

Moda. Relações político-identitárias. Pedagogia.

Resumo

Este artigo traz uma reflexão acerca da moda enquanto um mecanismo legitimador da identidade e do posicionamento político das estudantes do curso de Pedagogia do Centro de Educação (CE) da Universidade Federal de Pernambuco, campus Recife. As imagens de moda e as vestimentas são comumente utilizadas para construir padrões e estão arraigadas às demais instituições sociais. Contudo, elas também podem ser utilizadas como instrumentos de subversão de paradigmas. Assim sendo, o objetivo da pesquisa busca compreender como a estudante de Pedagogia articula o ato de se vestir e a forma como consome moda com a sua identidade, bem como sua visão de mundo e seus princípios políticos. Para fortalecer a discussão, na fundamentação teórica da pesquisa foram utilizados alguns autores que trazem contribuições a respeito do universo da moda, como, por exemplo, Barreto e Silva (2015); Braga, Magalhães e Schemes (2018); Maia (2019); Mesquita (2004). Essas leituras permaneceram entremeadas por outras que não são necessariamente ligadas ao universo das imagens e das representações por meio da vestimenta, como, por exemplo, Hall (2006); hooks (2013); Louro (2003); Nascimento (2021). Para a etapa metodológica vigorou a pesquisa qualitativa conforme preconiza Minayo (2002). Foram realizadas entrevistas com cinco (5) estudantes que estão cursando os últimos períodos da graduação. Foi escolhida a análise hermenêutica-dialética proposta por Minayo (1992). Os resultados obtidos revelaram dados de suma importância a respeito das mudanças nas concepções do vestir das participantes.

Biografia do Autor

Wany Júlia Gualberto da Costa, Universidade Federal de Pernambuco UFPE

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Graduada no curso Superior de Tecnologia em Design de Moda pela Unicesumar.

Maria Sandra Montenegro Silva Leão, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora do Curso de Pedagogia do Centro de Educação (CE), na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

AFONSO, NATHÁLIA. Dia da Consciência Negra: números expõem desigualdade racial no Brasil. Folha de São Paulo/Agência Lupa, Rio de Janeiro, 20 de nov. de 2019. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/2019/11/20/consciencia-negra-numeros-brasil/. Acesso em: 01 nov. 2021.

ANPED. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Ética e pesquisa em educação: subsídios.Rio de Janeiro:ANPEd, 2019.

BARRETO, Carol; DA SILVA, Leandro Soares. Moda: aspectos discursivos da aparência. Revista Ideação, v. 1, n. 31, p. 39-57, jan./jun. 2015.

BRAGA, Larissa Adams; MAGALHÃES, Magna Lima; SCHEMES, Claudia. Quando a moda é política: as mulheres negras e a Revista Afro Brasil. Ex aequo, n. 38, p. 149-166, 2018.

CARDOSO, Monique Fonseca; BATISTA-DOS-SANTOS, Ana Cristina; ALLOUFA, Jomária

Mata de Lima. Sujeito, Linguagem, Ideologia, Mundo: Técnica Hermenêutico-dialética para Análise de Dados Qualitativos de Estudos Críticos em Administração. Revista de Administração FACES Journal Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 74-93, abr./jun. 2015.

CIDREIRA, Renata Pitombo. Moda: etimologia e História. In: CIDREIRA, Renata Pitombo. Os sentidos da moda. 1. ed. São Paulo:Annablume, 2005.

FASHION REVOLUTION. Vestir é político: a moda e seus símbolos. Carta Capital, S.I., 14 fev. 2019. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/fashion-revolution/vestir-e-politico-a-moda-e-seus-simbolos/. Acesso em: 01 nov. 2021.

GOMES, Romeu. A análise de dados em Pesquisa Qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social, teoria, método e criatividade. 21. ed. Petropólis: Vozes, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. 1 ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Proposições, v. 19, n. 2, p. 17-23, mai./ago. 2008.

MAIA, Dandara. O vestir político: as estampas wax hollandais como ferramentas de afirmação da identidade afro-brasileira. dObra [s]–revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, v. 12, n. 25, p. 144-163, abr. 2019.

MAINARDES, Jefferson; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Autodeclaração de princípios e de procedimentos éticos na pesquisa em Educação. ANPEd–Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Ética e Pesquisa em Educação. Subsídios, v. 1, p. 129-132, 2019.

MESQUITA, Cristiane. Moda contemporânea: quatro ou cinco conexões possíveis. Editora Anhembi Morumbi, 2004.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 1 ed. São Paulo-Rio de Janeiro. HUCITEC-ABRASCO, 1992.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Ciência, técnica e Arte: O Desafio da Pesquisa Social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social, teoria, método e criatividade. 21. ed. Petropólis: Vozes, 2002.

MORENO, Ana Carolina. Dia das Professoras: Nove em cada dez estudantes de pedagogia são mulheres e maioria faz curso a distância. G1, 15 de out. de 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/guia-de-carreiras/noticia/dia-das-professoras-nove-e

m-cada-dez-estudantes-de-pedagogia-sao-mulheres-e-maioria-faz-curso-a-distancia.ghtml. Acesso em: 01 nov. 2020.

MOTA, Maria Dolores Brito. Moda e Subjetividade: corpo, roupa e aparência em tempos ligeiros. ModaPalavra e-periódico, v. 1, n. 2, p. 21-31, ago./dez. 2008.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL, Brasil é o país que mais mata pessoas trans no mundo, alerta relatório da sociedade civil entregue ao UNFPA. Nações Unidas Brasil, S.I, 03 de fev. 2019. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/110425-brasil-e-o-pais-que-mais-mata-travestis-e-pessoas-trans-no-mundo-alerta-relatorio-da. Acesso em: 22 nov. 2021.

NASCIMENTO, Letícia Carolina. Transfeminismo. 1 ed. São Paulo: Editora Jandaíra, 2021.

NETO, Otávio Cruz. O Trabalho de campo como descoberta e criação. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social, teoria, método e criatividade. 21. ed. Petropólis: Vozes, 2002.

RACOSKI, Márcia Maria; DA SILVA, Émerson Neves. O sistema de cotas para ingresso na educação superior pública: qual sua importância e por que pesquisar? Revista Pedagógica, v. 22, p. 1-17, 2020.

Publicado

2022-06-30

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua