GESTÃO UNIVERSITÁRIA VERSUS PERFORMATIVIDADE:

uma comparação entre diferentes instituições

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6782

Palavras-chave:

Gestão universitária. Avaliação do ensino superior. Performatividade. SINAES.

Resumo

Atendendo às expectativas da nova economia mundial, organismos econômicos internacionais (Banco Mundial, FMI, OCDE) passaram a desenvolver mecanismos de indução à transformação no desenvolvimento da educação. Nesse contexto, adquire evidência e centralidade as categorias do gerencialismo e da performatividade, cuja lógica possibilita a substituição da fiscalização das ações pelo controle de resultados. A partir disso, as instituições passaram a responder à pressão por resultados, essenciais ao sucesso num contexto em que os rankings definem a percepção de qualidade das instituições.  A presente pesquisa teve como objetivo analisar como as universidades estão agindo para responder às pressões postas pelas exigências da performatividade. A pesquisa caracteriza-se como descritiva, de abordagem qualitativa, desenvolvida na forma de um estudo de caso, envolvendo três universidades localizadas na região sul do país, sendo uma particular, uma pública e uma comunitária, localizadas, respectivamente nas cidades de Curitiba (PR), Chapecó (SC) e Lageado (RS). Para a coleta de dados, além da análise documental, foram desenvolvidas seis entrevistas com gestores universitários, cuja a análise fundamentou-se nos pressupostos da análise de conteúdo. Dessa análise, identificamos como tendências que: os gestores das instituições estudadas incorporaram em suas práticas, em grande medida, os princípios e as práticas que caracterizam os princípios do gerencialismo e a lógica da performatividade, vistos como uma condição de sobrevivência das instituições no atual cenário. A incorporação desses princípios revelou-se mais evidente nas instituições privada e comunitária, as quais convivem com as relações de concorrência. Esse fato é menos evidente na instituição pública. 

Biografia do Autor

Alcione Ziliotto, Unochapecó

Mestre em Educação - Universidade Comunitária da Região de Chapecó- Unochapecó. Integra o grupo de pesquisa  Formação de Professores, Currículo e Práticas Pedagógicas. E-mail:  alcionez@unochapeco.edu.br

Odilon Luiz Poli, Unochapecó

Doutor em Educação - Universidade Estadual de Campinas. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração (PPGCCA) e Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) – Unochapecó. Líder do grupo de pesquisa  Formação de Professores, Currículo e Práticas Pedagógicas. E-mail: odilon@unochapeco.edu.br

Referências

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2000.

AVELAR, M. Entrevista com Stephen J. Ball: uma análise de sua contribuição para a pesquisa em Política Educacional. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 24, n. 24, p. 1-18, 2016.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: 70, 2016.

BERNHEIM, C. T.; CHAUÍ, M. S. Desafios da universidade na sociedade do conhecimento: cinco anos depois da conferência mundial sobre educação superior. Brasília: UNESCO, 2008.

BIANCHETTI, L.; SGUISSARDI, V. Da universidade à commoditycidade: ou de como e quando, se a educação/formação é sacrificada no altar do mercado, o futuro da universidade se situaria em algum lugar do passado. Campinas: Mercado de Letras, 2017.

BRASIL. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES. Bases para uma nova proposta de Avaliação da Educação Superior. Brasília: MEC/INEP, 2003.

BRASIL. Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, abr. 2004.

CATANI, A. M.; OLIVEIRA, J. F.; DOURADO, L. F. A política de avaliação da educação superior no Brasil em questão. In: DIAS SOBRINHO, J.; RISTOFF, D. (Org.). Avaliação democrática para uma universidade cidadã. Florianópolis: Insular, 2001.

DALE, R. Constructing risk management of higher education sector through reputational risk management of institutions. In: MOROSINI, M. C. (Org.). Qualidade da educação superior: reflexões e práticas investigativas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011. p. 32-76. Disponível em: http://www. pucrs.br/edipucrs. Acesso em: 01 fev. 2019.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao Sinaes. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 15, n. 1, p. 195-224, 2010.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GRIBOSKI, C. Regular e/ou induzir qualidade? Os cursos de pedagogia nos ciclos avaliativos do Sinaes. Brasília, 2015. 481 p. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília. Brasília, 2015.

GUERRA, M. Redes de Avaliação e Acreditação Latino-Americanas: RANA - MERCOSUR EDUCATIVO. In: LEITE, D (Org.). Inovação, avaliação e tecnologias da informação. Porto Alegre: Pacartes, 2010. p. 53-72.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Superior 2016/2011. Brasília: INEP, 2018.

PORTAL DO MEC. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). [s.d.]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/270-programas-e-acoes-1921564125/sinaes-2075672111/12303-sistema-nacional-de-avaliacao-da-educacao-superior-sinaes. Acesso em: 20 jun. 2019.

PORTAL INEP. Sinaes. [s.d.]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinaes. Acesso em: 19 jun. 2019.

ROSSATO, Ricardo. Século XXI: saberes em construção. 2. ed. Passo Fundo: EDUPF, 2006.

ROSSATO, Ricardo. Universidade: nove séculos de história. Passo Fundo: EDUPF, 1998.

SILVEIRA, Z.; BIANCHETTI, L. A universidade moderna: dos interesses do Estado-nação às conveniências do mercado. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 64, jan./mar. 2016

UNESCO. Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura. Educação um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez, 1998.

Publicado

2021-11-21

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua