IDENTIFICAÇÃO POLÍTICA E SIGNIFICAÇÃO DA EXPERIÊNCIA ESCOLAR:

o caso de professores e professoras homossexuais no ensino básico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.6765

Palavras-chave:

Docência. Política. Homossexualidade. Identidade profissional.

Resumo

O presente artigo apresenta parte das análises realizadas na pesquisa de Mestrado em Educação, realizada entre 2017 e 2020, cujo objetivo foi examinar se e como a decisão de revelar ou ocultar a própria sexualidade no ambiente de trabalho influencia na construção da identidade profissional de professores e professoras homossexuais do ensino básico. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com a realização de entrevistas com oito professores atuantes na rede estadual de ensino paulista. Neste trabalho, apresenta-se a terceira categoria de análise desenvolvida na pesquisa citada, chamada “Identificações políticas e significação da experiência escolar”, que explora o tema da política em diferentes perspectivas: as vivências e percepções sobre a militância (no segmento LGBT+ e outros) e as percepções sobre a homossexualidade e/ou identidade LGBT+ enquanto identidade política. O ponto contrastante entre aqueles/as que revelam e aqueles/as que não revelam a própria sexualidade no ambiente de trabalho se dá principalmente quando a identidade do/a professor/a homossexual passa a participar do potencial de significação política das experiências escolares.

Biografia do Autor

Mariana Carvalho Teixeira, Universidade de São Paulo

Mestranda em Educação pela Faculdade de Educação e formada em História pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, ambas da Universidade de São Paulo. 

Maria de Lourdes Ramos da Silva, Universidade de São Paulo

Doutora em Ciências de Educação (Universidade Complutense). Professora Livre-docente da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Orientadora de dissertações de mestrado e teses de doutorado e autora de diversos livros e artigos publicados. Especialista junto ao Conselho Estadual de Educação de SP e junto a Comissão de avaliação do MEC.

Referências

ALAZRAKI, Laura; FIORETTI, Lorena; NICOLÁS, Paola. Género, política y docencia em Artes en la Universidad Provincial de Córdoba (Argentina): un territorio de disputas. Revista Pedagógica, v. 23, p. 1-18, 2021. DOI http://dx.doi.org/10.22196/rp.v22i0.6326 Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/issue/view/312. Acesso em: 13 out. 2021.

AUGUSTINI, Érica Rodrigues do Nascimento. Abordagem Político-Científica acerca da Educação em Sexualidade e a Formação Inicial/Continuada Docente: um estudo de caso no curso de Pedagogia. 2020. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2020.

BUTLER, Judith. Corpos que ainda importam. In: COLLING, Leandro (org.). Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016.

CARVALHO, José Sergio. Política e educação em Hannah Arendt: distinções, relações e tensões. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 128, p. 813-828, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010173302014000300813&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 nov. 2018.

CIAMPA, Antônio da Costa. A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio de psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 2001.

COACCI, Thiago. Do homossexualismo à homoafetividade: discursos judiciais brasileiros sobre homossexualidades, 1989 - 2012. Sexualidad, Salud y Sociedad, Rio de Janeiro, n. 21, p. 53-84, dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198464872015000300053&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 nov. 2018.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: Versos, 2015.

FACCHINI, Regina. Movimento homossexual no Brasil: recompondo um histórico. Cadernos AEL, v. 10, n. 18/19, 22 set. 2003. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2510/1920. Acesso em: 11 nov. 2018.

FLORES, Maria Assunção. Discursos do profissionalismo docente: paradoxos e alternativas conceptuais. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 59, p. 851-869, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782014000900003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 nov. 2018.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2002 [1. ed. 1992].

LUNA, Naara. A criminalização da “ideologia de gênero”: uma análise do debate sobre diversidade sexual na Câmara dos Deputados em 2015. Cadernos Pagu, Campinas, n. 50, e175018, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010483332017000200311&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 nov. 2018.

MELUCCI, Alberto. O jogo do eu. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2004.

NÓVOA, Antônio. (org.). Profissão professor. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2014 [1. ed. 1999].

NÓVOA, Antônio. Vidas de Professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2007 [1. ed. 1995].

PAOLIELLO, Gilda. A despatologização da homossexualidade. In: JORGE, Marco Antonio Coutinho; QUINET, Antonio. As homossexualidades na Psicanálise: na história de sua despatologização. São Paulo: Segmento Farma, 2013. p. 29-46.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A construção multicultural da igualdade e da diferença. Coimbra: Oficina do CES. n. 135. Jan. 1999.

SANTOS, Cristiano Figueiredo dos; SANTOS, Rosimeire Martins Regis dos. Desafios na formação docente em diversidade sexual. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 29, n. 60, p. 140-161, 2019. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/13029. Acesso em: 3 jan. 2022.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, jun. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332007000100003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 11 nov. 2018.

SIMÕES, Júlio Assis; FACCHINI, Regina. Do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2009.

VIANNA, Claudia Pereira; CAVALEIRO, Maria Cristina. Políticas públicas de educação e diversidade: gênero e (homo)sexualidades. Revista Gênero, Niterói, v. 12, n. 2, p. 27-45, 1. sem. 2012. Disponível em: http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/view/413/307. Acesso em: 11 nov. 2018.

VIANNA, Claudia; CARVALHO, Tatiana. Formação e prática docente: sobre visibilidade das professoras lésbicas. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 12, n. 24, p. 77-90, 2020. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/336. Acesso em: 3 jan. 2022.

WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

XAVIER, Libânia Nacif. A construção social e histórica da profissão docente uma síntese necessária. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 59, p. 827-849, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141324782014000900002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 nov. 2018.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

CARVALHO TEIXEIRA, M. .; RAMOS DA SILVA, M. de L. . IDENTIFICAÇÃO POLÍTICA E SIGNIFICAÇÃO DA EXPERIÊNCIA ESCOLAR: : o caso de professores e professoras homossexuais no ensino básico. Revista Pedagógica, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 1–22, 2022. DOI: 10.22196/rp.v24i1.6765. Disponível em: http://pegasus.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/6765. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua