METODOLOGIAS ATIVAS NA ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS:

análise de experiência de graduandos da Unochapecó

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.6683

Palavras-chave:

Aprendizado. Ciências da natureza e suas tecnologias. Ensino. Metodologias ativas. Práticas de ensino.

Resumo

Os conteúdos da área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias, que estão previstos na Base Nacional Comum Curricular, e que abordam genética, imunologia e evolução biológica, costumam ser apontados como de difícil aprendizado por parte dos estudantes do ensino médio. Os processos de ensino e de aprendizagem nas escolas de ensino médio têm sido predominantemente teóricos, com poucas atividades práticas. Assim, nos últimos anos, tem sido proposto o uso de estratégias didáticas que contemplem metodologias ativas. Portanto, esta pesquisa teve como objetivo investigar se as metodologias ativas têm sido empregadas por professores de ensino médio para o ensino de conteúdos da área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias, bem como avaliar a percepção dos estudantes quanto à contribuição do uso de metodologias ativas para o seu aprendizado. Esta pesquisa, qualitativa, quantitativa e descritiva, foi realizada por meio de um questionário aplicado junto a estudantes de graduação do primeiro e do segundo semestre da Unochapecó. O questionário foi aplicado durante o segundo semestre de 2020 através do Google Forms. A maior parte dos participantes relataram que não tiveram aulas com o emprego de metodologias ativas durante o ensino médio e relataram não ter tido dificuldades de aprendizado dos conteúdos de genética, imunologia e evolução biológica. Finalizando, a maior parte dos participantes relataram que as metodologias ativas, quando aplicadas, não contribuíram para seu aprendizado ou que não lembram da sua contribuição. Os resultados obtidos através deste estudo apontam que é necessário investigar o motivo de a maior parte dos estudantes considerar que as metodologias ativas não contribuem para seu aprendizado, buscando assim, aprimorar estas estratégias didáticas e, consequentemente, o processo de ensino-aprendizado.

Biografia do Autor

Anna Maria Siebel, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Doutorado em Biologia Celular e Molecular (PUCRS). Professora Dra. do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da UNOCHAPECÓ. E-mail: nna.siebel@unochapeco.edu.br

Ellen Jaqueline Mendes, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Licenciada em Ciências Biológicas. unochapecó. Bolsista do Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina, UNIEDUE. E-mail: ellenjmendes12@unochapeco.edu.br

Referências

AGAMME, Ana Luiza. O lúdico no ensino de genética: a utilização de um jogo para entender a meiose. 2010. 82 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2010.

ALMEIDA, Edslei Rodrigues; CHAVES, Andrea Carla Leite. O ensino de biologia evolutiva: as dificuldades de abordagem sobre evolução no ensino médio em escolas públicas do estado de Rondônia. Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, v. 4, p. 1-12, novembro de 2014.

ALTINO FILHO, Humberto Vinício et al. As metodologias ativas de aprendizagem: uma análise da percepção de futuros professores no curso de pedagogia. Pensar Acadêmico, v. 18, n. 4, p. 850-860, ago. 2020.

AMORIM, Liromaria Maria et al. Ensaio sobre a educação médica brasileira frente às vantagens e desvantagens do problem based learning (pbl). Revista E-Ciência, v. 5, n. 1, 2017.

ARAÚJO, Maurício et al. A genética no contexto de sala de aula: dificuldades e desafios em uma escola pública de Floriano-PI. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 1, p. 19-30, 2018.

BARRETO, Claudia Marcia Borges; TEIXEIRA, Gerlinde Agate Platais Brasil. Concepções prévias de universitários sobre o sistema imunológico. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e tecnologia, Fluminense, Universidade Federal de Fluminense, v. 6, n. 1, p. 1-18, abr.2013.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação e Cultura. Brasília: MEC/Consed/Undime, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 24 set. 2020.

CAMPOS, Rita et al. Um livro sobre evolução. Porto: Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, 2013, p. 1-166. Disponível em: http://www.s-1993.pa.internl.net/siteapps/WordPress-960/htdocs/wp-content/uploads/2015/06/Um-livro-sobre-evolucao-11.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.

CARVALHO, Luciane Gomes de; MAFFEI, Eliane Mariza. O Ensino da Transcrição e Tradução para Portadores de Necessidades Educativas Especiais – visuais e Pessoas de Visão Normal. Revista Genética na Escola, Vitória da Conquista, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, v. 2, n. 1, p. 1-5, jan. 2007.

CASAGRANDE, Grasiela de Luca. A genética humana no livro didático de biologia. 2006. 121 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) - Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

CASTELÃO, Talita Borges; AMABIS, José Mariano. Motivação e ensino de genética: um enfoque atribucional sobre a escolha da área, prática docente e aprendizagem. In: 54º Congresso Brasileiro de Genética, Anais, p. 5, Salvador, 2008.

CID, Marília; NETO, António. Dificuldades de aprendizagem e conhecimento pedagógico do conteúdo: O caso da Genética. Ensenanza de lãs Ciências, Granada, n. Extra, p. 1-5, 2005.

LOVATO, Fabricio Luís et al. Metodologias ativas de aprendizagem: uma breve revisão. Acta Scientiae, Canoas, v. 20, n. 2, p. 1-18, abr. 2018.

HIDALGO, C. RAYEN; DELFIN, I. La metodología cualitativa para el estudio de problemáticas ambientales como práctica pedagógica en biología. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 21, p. 557-576, 2019.

MALDANER, Claudia Regina de Souza. Metodologia ativa na educação profissional realidade ou expectativa na faculdade Senac de São Miguel do Oeste. Instituto Federal de Santa Catarina, Florianópolis, mar. 2018.

MARQUES, Cristina da Silva et al. Criacionismo ou Evolução? A teoria da evolução das espécies em debate no ensino de ciências. Revista Ensino, Saúde e Ambiente, Nilópolis, Instituto Federal do Rio de Janeiro, v. 5, n.2, p. 1-12, ago. 2012.

MESQUITA, Simone Karine da Costa et al. Metodologias ativas de ensino/aprendizagem: dificuldades de docentes de um curso de enfermagem. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 473-486, ago. 2016.

MEYERS, Chet; JONES, Thomas. Promoting active learning. San Francisco: Jossey Bass, 1993.

MORÁN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção mídias contemporâneas. Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens, v. 2, n. 1, p. 15-33, 2015.

MOTA, Ana Rita; WERNER DA ROSA, Cleici. Ensaio sobre metodologias ativas: reflexões e propostas. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, Universidade de Passo Fundo, v. 25, n. 2, p. 261-276, maio 2018.

NASCIMENTO, Juliano Lemos do; FEITOSA, Rafael Alves. Active methodologies, focusing on teaching and learning processes. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 9, p. 1-17, set. 2020.

PAIVA, Marlla Rúbya Ferreira et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE-Revista de Políticas Públicas, Sobral, Universidade Estadual Vale do Acaraú, v. 15, n. 2, p. 145-153, dez. 2016.

PEREIRA, Álvaro et al. Modelos didáticos de DNA, RNA, ribossomos e processos moleculares para o ensino de genética do ensino médio. Revista da SBEnBio, Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca, v. 7, p. 564-571, out. 2014.

PEREIRA, Rodrigo. Método Ativo: Técnicas de Problematização da Realidade aplicada à Educação Básica e ao Ensino Superior. VI Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”, São Cristóvão, v. 20, p. 1-15, set. 2012.

PORTELA, Tereza Cristina Lima; OLIVEIRA, Mário Cézar Amorim de. Avaliação de Objetos de Aprendizagem (OA) sobre Evolução Biológica (EB) a partir da Teoria da Carga Cognitiva (TCC). Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 400-425, 2020.

TRIVELATO, Sílvia. F.; SILVA, Rosana. LOURO, F. Ensino de Ciências. Cengage Learning. Brasil, 2016.

QUINTANS, Alexandra Pinto. O que os alunos do ensino médio sabem sobre Sistema Imunitário. 2009. 46 f. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências) - Departamento de Ensino de Ciências e Biologia, do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

SAMPAIO, Felipe Jardim. O uso de jogos digitais para o ensino e aprendizagem de imunologia no ensino de ciências no Ensino Médio. PECIM/Unicamp, Rio de Janeiro, set. 2018.

SCHUNEMANN, Haller Elinar Stach et al. Metodologias Ativas de Ensino: Um instrumento significativo no ensino aprendizagem de genética. Encontro Nacional e Prática de Ensino, Campinas, Faculdade de Educação Unicamp, p. 1-9, jul.2012. Disponível em: http://endipe.pro.br/ebooks-2012/1486p.pdf. Acesso em: 23 set. 2020.

SILVA, Alexandre José de Carvalho. Guia prático de metodologias ativas com uso de tecnologias digitais da informação e comunicação. Lavras: UFLA, 2020.

SILVA, Anderson Patrício da et al. As metodologias ativas aplicadas ao Ensino Médio. In: PBL 2018 International Conference, Santa Clara, California. Anais. Santa Clara, California, p. 1-14, fev.2018.

SILVA, Cirlande Cabral da et al. Patrícia Macêdo. Investigando os obstáculos da aprendizagem de genética básica em alunos do ensino médio. ETD-Educação Temática Digital, v. 21, n. 3, p. 718-737, 2019.

SILVEIRA, Rodrigo Venturoso Mendes da et al. Metodologias ativas no ensino de genética, biologia molecular e evolução: Temas transversais. São Paulo: Cetec Capacitações, 2019.

Publicado

2021-12-07

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua