DECOLONIZAÇÃO DOS CURRÍCULOS

Diálogos possíveis com a escola indígena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6540

Palavras-chave:

Currículo; Escola Indígena; Pensamento Decolonial

Resumo

Este artigo caracteriza-se como um ensaio teórico com foco no conceito de currículo decolonial e investiga as relações que essa proposição traz para pensar a produção curricular junto à escola indígena. Os debates na literatura educacional articulam-se a partir das diferentes significações de currículo. Para isso, recorremos a um método de análise conceitual, originalmente proposto por Coombs e Daniels (1991), que possibilita investigar um conceito em um conjunto de textos. Por meio dessa metodologia busca-se desdobrar o conceito de currículo decolonial, procedendo a partir de uma leitura interpretativa da noção de currículo. Num primeiro momento o texto aborda o conceito de currículo, a partir de um conjunto delimitado de perspectivas teóricas encontradas na literatura educacional da área. No segundo momento, o texto dirige-se as discussões sobre currículo decolonial. Por fim, apresentamos as considerações sobre currículo numa perspectiva da qual discutimos e refletimos o conceito de escola indígena a partir das experiências de formação de Professores Indígena no estado do Amazonas.

Biografia do Autor

Roberto Sanches Mubarac Sobrinho, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

Doutor em Educação. Professor Associado da Universidade do Estado do Amazonas. Coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação da UEA. Grupo de Pesquisa, Infância e Educação no Contexto Amazônico. E-mail: rsobrinho@uea.edu.br 

Ádria Simone Duarte de Souza, Universidade do Estado do Amazonas

Doutoranda em Educação PROPED/UERJ. Professora Assistente da Universidade do Estado do Amazonas. Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Escolar Indígena e Etnografia. E-mail:  asduarte@uea.com.br

Célia Aparecida Bettiol, Universidade do Estado do Amazonas

Doutora em Educação. Professora Adjunta da Universidade do Estado do Amazonas. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da UEA. Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Escolar Indígena e Etnografia. E-mail: celiabbettiol@gmail.com

Referências

ARROYO, Miguel G. Curriculo, território em disputa. 5.ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013.

BAZZO, Jilvania Lima dos Santos. Por uma poética decolonial no ensino superior: contribuições da Didática na formação de professores(as). Revista Pedagógica, v. 21, 2019. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/issue/view/Vol.%2021%2C%202019 Acesso em: 30 jun. 2021.

BERNARDI, Luci. S.; DELIZOICOV, N. C.; CECCO, B. L. O professor da escola indígena contemporânea: reflexões sobre processos formativos e pesquisas no estado de Santa Catarina. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 22, p. 1-19, 2020.

BHABHA, Homi. O local da Cultura. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indígenas em cursos de Educação Superior e de Ensino Médio e dá outras providências. Resolução n. 1, de 7 de janeiro de 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16870-res-cne-cp-001-07012015&category_slug=janeiro-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 16 maio, 2017.

COOMBS, J. R.; DANIELS, L. Philosophical inquiry: conceptual analysis. In: SHORT, E. (Ed.). Forms of curriculum inquiry. New York: Suny Press, 1991. p. 49-64.

FERREIRA, Mariana Kawal Leal. A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes da; FERREIRA, Mariana Kawal Leal (Orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001

FLEURI, Reinaldo Matias. Políticas da diferença: para além dos estereótipos na prática educacional. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 95, p. 495-520, maio/ago. 2006. Disponível em http://www.cedes.unicamp.b. Acesso em: 16 jun.2020.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica de aprendizagem [Trad. Daniel Bueno]. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GOODSON, Ivor. Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação. v. 12, n. 35, maio/ago. 2007.

GRUPIONI, L. D. B.; MONTE, N. L. Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, L. D. B. Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006. p. 39 -68.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2005.

HAMILTON, David. Sobre as origens do termo classe e curriculum. Teoria e Educação. Porto Alegre, n. 6, p. 33-51, 1992.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias do Currículo. São Paulo: Cortes, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Currículo: política, cultura e poder. Currículo sem Fronteiras, v.6, n.2, p.98-113, jul/dez, 2006ª, p. 98-113.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, maio/ago. 2006b. p. 285-272.

MACEDO, Elizabeth. A cultura e a escola. In: MISKOLCI, Richard. Marcas da diferença no ensino escolar. São Carlos: UFSCAR, 2010.

MOREIRA, Antonio Flavio (Org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997.

NASCIMENTO, A. C.; AGUILERA URQUIZA, A. H.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de. O que é Pedagogia Decolonial. In: LIMA, Adriane Raquel S. de et al. Pedagogias Decoloniais na Amazônia: fundamentos, pesquisas e práticas. Curitiba: CRV, 2021. p. 23-34.

PESSÔA, Karina; FAVALLI, Leonel. Novo Pitanguá: ciências. São Paulo: Moderna, 2017.

PINAR, William F. Multiculturalismo malicioso. Currículo Sem Fronteiras, v.9, n.2, p.149-168, jul/dez 2009.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula. (org.) Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu da; MOREIRA, Antônio Flávio (Orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade. 2. ed. Autêntica: Belo Horizonte, 1999.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O Currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. 1. ed., 3ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: SILVA, Aracy Lopes da; FERREIRA, Mariana Kawal Leal (Orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001.

AMAZONAS. Universidade do Estado do Amazonas. Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia Intercultural Indígena. Manaus, 2019.

WALSH, Catherine. Introducion- (Re) pensamiento critico y(de)colonialidad. In: WALSH, Catherine (org.). Pensamiento crítico y matriz (de) colonial. Reflexiones latinoamerianas. Quito: Ediciones Abya-yala, 2005.

Publicado

2021-10-28

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns