AS MULHERES ZAPATISTAS DIANTE DO TEMPO

A arte decolonial como caminho para os estudos em Arte na América Latina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6532

Palavras-chave:

Decolonização dos Currículos, Ensino de Arte, Arte Educação

Resumo

Considerando a necessidade de propostas educativas que dialogam de maneira horizontal e democrática com outras formas de saberes, o objetivo deste artigo é apresentar perspectivas de decolonização dos currículos escolares a partir da arte das mulheres zapatistas, que vivem nas montanhas do sudeste do México de maneira autônoma e anticapitalista. Entende-se que a história sempre foi contada sob a ótica colonizadora e pelos que detiveram o poder. Portanto, torna-se urgente legitimar a arte como um instrumento historiográfico que contribua significativamente para a construção da identidade latino-americana. A arte das mulheres zapatistas será apresentada enquanto aporte teórico para contribuir nos estudos de arte no Brasil, sob o contexto latino-americano, contemplando a Educação Básica. Este estudo apoia-se no conceito de Ecologia dos Saberes, do sociólogo português Boaventura de Sousa Santos (2007), bem como no Epistemicídio, aprofundado por Sueli Carneiro (2005). Tal estudo foi inspirado nas vivências de uma das autoras no México, em 2017, quando conheceu o movimento e pode vislumbrar um outro mundo possível, um mundo onde caibam todos os outros.

Biografia do Autor

Nathane Alves Cruz, Universidade Federal de Ouro Preto

Graduação em Artes Cênicas Licenciatura - Universidade Federal de Ouro Preto. Atuou como educadora popular na Escola Família Agrícola Paulo Freire (Acaiaca/MG) (2018-2020). É integrante do GiraCampo, Grupo de Pesquisa e Ação em Educação do Campo no Território dos Inconfidentes. E-mail: nathane.alves@hotmail.com

Alexandra Resende Campos, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Educação - Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora Adjunta do Departamento de Educação da Universidade Federal de Ouro Preto (DEEDU-UFOP).  Linha de pesquisa Diversidade, Desigualdades Sociais e Educação. E-mail: alecampos.resende@gmail.com

Referências

ABREU, Gabriel Rodrigues de. Analisando o movimento zapatista à luz da decolonialidade. 2019. Monografia (Graduação em Ciências Econômicas) - Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana/MG, 2019. Disponível em: https://www.monografias.ufop.br/handle/35400000/2251. Acesso em: nov. 2019.

ARROYO, Miguel G. Os movimentos sociais e a construção de outros currículos. Educar em Revista, Curitiba, v. 55, p. 47-68, jan/mar. 2015.

BELLOCHIO, Cláudia Ribeiro. A educação musical nas séries iniciais do ensino fundamental: olhando e construindo junto às práticas cotidianas do professor. 2000. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre/RS, 2000. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/33046/000270280.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: nov. 2019.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre o conceito da História. In: BENJAMIN, Valter (Org.). Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas, v. 1, 3 ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987, p. 222-232.

BOAL, Augusto. A estética do oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BRASIL. Lei no 5692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1o e 2o graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Seção 1, p. 6377. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: out. 2019.

BRASIL. Lei Federal no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9394-20-dezembro-1996-362578-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: out. 2019.

BRASIL. Dos níveis e das modalidades de educação e ensino. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2007.

CABRERA, Aluminé. Mujeres que cantan, mujeres que pintan, mujeres que danzan, que actúan, que rapean, que declaman poesía haciendo propio el dolor de tantas. Mujeres que acompañan a otras mujeres que están solas, vulnerables. La tinta: periodismo hasta mancharse, Córdoba, 27 jul. 2017.

CARACOL DE LA REALIDAD. Mujer valiente. Disponível em: https://radiozapatista.or g/?p=22326. Acesso em: jul. 2019.

CARACOL DE MORELIA. La explotación y la rabia que se transforman en rebeldía. Disponível em: https://radiozapatista.org/?p=22326. Acesso em: jul. 2019.

CARACOL DE OVENTICK. El maltrato y el derecho a las mujeres. 2017. Disponível em: https://radiozapatista.org/?p=22326. Acesso em: jul. 2019.

CARACOL DE ROBERTO BARRIOS. Para que sepa el mundo enterro. 2017. Disponível em: https://radiozapatista.org/?p=22326. Acesso em: jul. 2019.

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 965-986, set. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36757. Acesso em: nov. 2019.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-construc3a7c3a3o-do-outro-como-nc3a3o-ser-como-fundamento-do-ser-sueli-carneiro-tese1.pdf. Acesso em: out. 2019.

CASTILLO, Rosalva Aída Hernández. Entre el etnocentrismo feminista y el esencialismo étnico. Las mujeres indígenas y sus demandas de género. Debate Feminista, año 12, v. 24, p. 206-229. 2001.

CONGRESSO NACIONAL INDÍGENA. Que es el CNI?. México, 2017. Disponível em: https://www.congresonacionalindigena.org/que-es-el-cni/. Acesso em: out. 2019.

COSTA, Rachel. Após o fim da arte europeia: uma análise decolonial do pensamento sobre a produção artística. DoisPontos, [S.l.], v. 15, n. 2, nov. 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/doispontos/article/view/62705. Acesso em: nov. 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

FERRARI, Solange dos Santos Utuari; LIBÂNEO, Daniela Leonardi, SARDO, Fábio; FERRARI Pascoal Fernando. Por toda pArte: volume único. 1. ed. São Paulo: FTD, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

FRENDA, Perla; GUSMÃO, Tatiane Cristina; BOZZANO, Hugo Barbosa. Arte em interação. 1 ed. São Paulo: IBEP, 2013.

GALEANO, Subcomandante Insurgente. Las artes, las ciências, los pueblos originários y los sótanos del mundo. Ejército Zapatista de Liberación Nacional. Altos de Chiapas, 2016. Disponível em: https://enlacezapatista.ezln.org.mx/2016/02/28/las-artes-las-ciencias-los-pueblos-originarios-y-los-sotanos-del-mundo/. Acesso em: jul. 2019.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais: educação e descolonização dos currículos. Revista Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 98-109, 2012. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss1articles/gomes.pdf. Acesso em: out. 2019.

GOMÉZ, Francisco de Parres. Continuidad entre la ciencia y el arte en el movimiento Zapatista: una mirada desde la complejidad. Revista Digital Universitaria, v. 19, n. 2, marzo-abril, 2018. Disponível em: http://www.revista.unam.mx/2018v19n2/continuidad-entre-la-ciencia-y-el-arte/. Acesso em: jul. 2019.

GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras. São Paulo: UCPA Editora, 2018.

HILSENBECK, Alexander Maximilian. Arte e estética política zapatista: o I Festival CompArte pela Humanidade. Revista Lutas Sociais, São Paulo, v. 21, n. 39, p. 77-92, dez. 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/ls/article/download/35879/pdf. Acesso em: jul. 2019.

LA TINTA. El zapatismo y la estética de la reiteración. 2014. Disponível em: https://latinta.com.ar/2017/08/ezln-la-estetica-la-reiteracion/. Acesso em: jul. 2019

LA TINTA. CompArte por la Humanidad en Chiapas: sororidad y resistencia. 2017. Disponível em: https://latinta.com.ar/2017/07/comparte-la-humanidad-chiapas-sororidad-resistencia/. Acesso em: jul. 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-posições, Campinas, v. 19, n. 2, p. 17-23, 2008

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MARCOS, Sylvia. Mujeres, indígenas, rebeldes, zapatistas. México: Ediciones y Gráficos Eón, 2011.

MARCOS, Sylvia. Actualidad y Cotidianidad: La Ley Revolucionaria de Mujeres del EZLN, Mujeres y la Sexta. 2014. Disponível em: https://www.vientosur.info/IMG/pdf/la_ley_ revolucionaria_de_mujerescideci.pdf. Acesso em: jun. 2019.

MÉNDEZ, Christian Fernando Camacho. Educación y sustentabilidade en la construcción de la autonomia. Tese (Mestrado em Ciências em Desenvolvimento Sustentável e Gestão de Riscos). Faculdade de Engenharia, Universidad de Ciencias y Artes de Chiapas, Tuxtla Gutiérrez, Chiapas, 2018. Disponível em: https://repositorio.unicach.mx/handle/20.500.12753/659 . Acesso em: nov. 2019.

MENDOZA, Brenny. La epistemología del sur, la colonialidad del género y el feminismo latinoamericano. In: MIÑOSO, Yuderkys Espinosa (Coord.). Aproximaciones críticas a las prácticas teórico-políticas del feminismo latinoamericano. 1 ed. Buenos Aires: En la Frontera, 2010. p. 19-36.

MIÑOSO, Yuderkys Espinosa. (Coord.). Aproximaciones críticas a las prácticas teórico-políticas del feminismo latinoamericano. 1 ed. Buenos Aires: En la Frontera, 2010. Disponível em: https://searchworks.stanford.edu/view/8793772. Acesso em: set. 2019.

MORAES, María Lygia Quartim. Da subversão à institucionalização. In: MIÑOSO, Yuderkys Espinosa (Coord.). Aproximaciones críticas a las prácticas teórico-políticas del feminismo latino-americano. 1 ed. Buenos Aires: En la Frontera, 2010.

MOURA, Eduardo Junio Santos. Decolonialidade e desobediência docente em Artes Visuais. In: 25o ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Anais [...]. Porto Alegre, 2016. Disponível em: http://anpap.org.br/naais/2016/ comites/ceav/eduardo_moura.pdf. Acesso em: nov. 2019.

MOVIMIENTO CAMPESINO INTERNACIONAL. La via campesina. Disponível em: https://viaca mpesina.org/es/. Acesso em: jul. 2019.

MULLER, Anelise de Oliveira. O corpo feminino: uma leitura imagética decolonial da mulher na arte brasileira. Trabalho de conclusão de curso, Universidade de Caxias do Sul, 2018. Disponível em: https://repositorio.ucs.br/xmlui/bitstream/handle/11338/4270/TCC%2 0Anelise%20de%20Olieira%20M%C3%BCller.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: nov 2019.

OYARZÚN, Kemy. Feminismos latinoamericanos: interseccionalidad de sujetos y relaciones de poder. In: MIÑOSO, Yuderkys Espinosa (Coord.). Aproximaciones críticas a las prácticas teórico-políticas del feminismo latino-americano. 1 ed. Buenos Aires: En la Frontera, 2010.

POSO, F.F.; MONTEIRO, B.A.P. A perspectiva decolonial nos cursos de formação de professores: uma revisão de literatura. Revista Pedagógica, v. 23, p. 1-18, 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 78, 2007. Disponível em: http://journals.openedition.org/rccs/75. Acesso em: nov. 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 23-71.

MARCOS, Subcomandante Insurgente. Las artes, las ciencias, los pueblos originarios y los sótanos del mundo. Enlace Zapatista, 28 fev. 2016. Disponível em: https://enlacezapatist a.ezln.org.mx/2016/02/28/las-artes-las-ciencias-los-pueblos-originarios-y-los-sotanos-del-mundo/. Acesso em: nov. 2019.

ZAGATO, Alessandro; ARCOS, Natalia. El Festival “Comparte por la Humanidad”. Estéticas y poéticas de la rebeldía en el movimiento Zapatista. Páginas: revista digital de la Escuela de Historia – Universidad Nacional de Rosario, n. 21, p. 74-101, 2017. Disponível em: http://biblioteca.puntoedu.edu.ar/handle/2133/12074. Acesso em: nov. 2019.

Publicado

2021-11-21

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns