FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CAMPO E DE PROFESSORES INDÍGENAS:

entre avanços e retrocessos, diálogo necessário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.6525

Palavras-chave:

Formação de Professores, Educação do Compo, Educação Escolar Indígena

Resumo

O presente texto parte de uma reflexão teórica sobre a Educação no Campo e a Educação Escolar Indígena no contexto contemporâneo. Tem por objetivo refletir sobre as possibilidades de diálogo entre os pressupostos teóricos que sustentam as perspectivas formativas da Educação no/do Campo e na/da Educação Escolar Indígena. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e empírica, pois apresenta um panorama histórico acerca das modalidades de educação apresentadas, a partir das experiências dos autores. Isto é, a respeito da Educação no Campo, seus modelos, discursos teóricos, perspectivas futuras e os projetos desenvolvidos no estado do Amazonas, PRONERA e Projovem Campo Saberes da Terra. No que se refere a Educação Escolar Indígena, aborda-se as políticas públicas a partir da base legal CF/88, LDBEN 9394/96 e da história da Secadi-MEC, como caminhos para a garantia de escola diferenciada e de formação de professores indígenas no Estado do Amazonas. Reflete-se sobre avanços e retrocessos em contexto nacional.

 

 

Biografia do Autor

Whasgthon Aguiar de Almeida, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

Doutor em Educação em Ciências e Matemática (UFMT/REAMEC); professor Adjunto da Universidade do Estado do Amazonas (UEA); Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços Não Formais – GEPECENF/UEA. E-mail:  wdalmeida@uea.edu.br

Romy Guimarães Cabral, Universidade do Estado do Amazonas - UEA

Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE-UFAM); professora Assistente da Universidade do Estado do Amazonas (UEA); membro do Núcleo de Estudos de Políticas Territoriais na Amazônia (NEPTA-UFAM). E-mail:  romyranna@gmail.com

Referências

BARNES, Eduardo Vieira. Da Diversidade ao Prolind: reflexões sobre as políticas públicas do MEC para a formação superior e povos indígenas. In: SOUZA, Cassio Noronha Inglez de; ALMEIDA, Fábio Vaz Ribeiro de; LIMA, Antonio Carlos de Souza; Matos, Maria Helena Ortolan. (Orgs.). Povos Indígenas: projetos e desenvolvimento II. Brasília: Paralelo15, Rio de Janeiro: LACED, 2010.

BRASIL (a). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior (SESU). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD). Relatório de Gestão da SECAD – 2004. Brasília, 2005.

BRASIL (b). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior (SESU). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD). Edital de convocação nº 5 de 29 de junho de 2005. Brasília, 2005.

BRASIL (c). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior (SESU). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD). Edital de Convocação nº 3 SECAD/MEC de 24 de junho de 2008. Brasília, 2008.

BRASIL. Projeto Base – Projovem Campo Saberes da Terra. MEC: Brasília-DF, 2009.

BICALHO, Ramofly. A dimensão educativa e o saber pedagógico no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Revista Pedagógica, v.23, p. 1-21, 2021.

COSTA, Lucinete Gadelha da. A educação do campo numa perspectiva de educação popular. In: GHEDIN, Evandro; BORGES, Heloísa da Silva. Educação do Campo: A epistemologia de um horizonte de formação. Ed. UEA: Manaus-AM, 2007, p.111-136.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2019.

FREITAS, Ana Elisa de Castro. Territórios Ameríndios: espaços de vida nativa no Brasil meridional. In: BERGAMASCHI, Maria Aparecida (org.). Povos Indígenas e Educação. Porto Alegre: Mediação, 2008. (Série Projetos e Práticas Pedagógicas).

GHEDIN, Evandro; OLIVEIRA, Elisangela S; ALMEIDA, Whasgthon Aguiar de. Estágio com Pesquisa. São Paulo: Cortez, 2015.

GRUPIONI, Luis Donisete Benzi. Olhar longe, porque o futuro é longe: cultura, escola e professores indígenas no Brasil. [Tese de Doutorado]. Pós-graduação em Antropologia Social. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2008, 261.

IANNI, Octávio. Globalização: novo paradigma das ciências sociais. Estudos Avançados. São Paulo, v. 8, n. 21, 1994, 147-163. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/9666.

MAHER, Terezinha Machado. A Formação de Professores Indígenas: uma discussão introdutória. In: GRUPIONI, Luis Donizete Benzi. Formação de Professores Indígenas: repensando trajetórias. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006. p.11-37.

RODRIGUES, Luiz Dias. Como se conceitua a educação popular. In: SCOCUGLIA, Afonso Celso; MELO NETO, José Francisco de (orgs). Educação popular: outros caminhos. João Pessoa-PB: Ed. Universitário UFPB, 1999.

SECCHI, Darci. Apontamentos acerca da regularização das escolas indígenas. In: BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Painel 5. Brasília: Secadi, s/d.

SILVA, Rosa Helena Dias da. Inclusão e políticas afirmativas em educação para um Brasil pluricultural: reflexões sobre povos indígenas e ensino superior. Revista Educação, Porto Alegre: UFRGS, 2007. p.93-107.

SILVA, Rosa Helena Dias da. A Autonomia como Valor e Articulação de Possibilidades: um estudo do movimento dos professores indígenas do Amazonas, Roraima e Acre, a partir de seus encontros anuais. Quito, Equador: Abya-Yala, 1998.

Publicado

2021-12-07

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua