A EXPERIÊNCIA COM OS COMPLEXOS DE ESTUDO NAS ESCOLAS PAULO FREIRE E SEMENTE DA CONQUISTA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6381

Palavras-chave:

Pedagogia Socialista. Complexos de estudo. Educação no MST.

Resumo

Discute a experiência das Escolas de Ensino Médio Paulo Freire e Semente da Conquista, localizadas em Abelardo Luz, oeste catarinense. É resultado de um projeto que articula pesquisa e extensão, o qual envolve a Universidade Pública e as Escolas em questão e se desenvolve há seis anos, tendo por foco a formação de professores e a organização do trabalho pedagógico com base nos complexos de estudo. Os complexos são uma formulação da Pedagogia Socialista Soviética no período inicial da Revolução Russa, e tem sido atualizado em escolas ligadas ao Movimento Sem Terra - MST. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica nos chamados pioneiros da pedagogia soviética, favorecida por novas traduções e publicações na última década. Realizaram-se ainda observações em todo o processo, registradas em cadernos próprios e tomamos por base relatórios, avaliações e depoimentos de professores e estudantes. Nosso objetivo é o de registrar e refletir a experiência, identificando possibilidades e limites do trabalho pedagógico que se propõe superador das pedagogias burguesas.

Biografia do Autor

Edilaine Aparecida Vieira, Escola de Ensino Médio Paulo Freire

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Integra o Núcleo de Pesquisa em Publicações Didáticas NPP/UFPR.

Sandra Dalmagro, Universidade Federal de Santa Catarina

Pós-doutora pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Doutora em em Educação pela UFSC. Professora no Departamento de Estudos Especializados em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Integra o Núcleo de Estudos sobre as Transformação no Mundo do Trabalho - TMT/UFSC.

Referências

BICALHO, Ramofly. A dimensão educativa e o fazer pedagógico no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Revista Pedagógica, v. 23, p. 1-21, 2021.

DALMAGRO, Sandra Luciana; MOURA, Ezequiel Augusto. A experiência pedagógica com os complexos de estudo no Curso de Ensino Médio/EJA/PRONERA/UFSC. Anais do I Seminário Internacional e I Fórum de Educação do Campo da Região Sul do RS. Pelotas: Ed. da UFPEL, 2012. CD-ROM.

DALMAGRO, Sandra Luciana. Forma Escolar e complexos de estudos: considerações a partir das escolas itinerantes do MST. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 8, n. 2, p. 100-109, dez. 2016.

ENGUITA, Mariano Fernández. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

ESCOLA PAULO FREIRE. Projeto Político e Pedagógico. Abelardo Luz, 2018.

ESCOLAS, Paulo Freire e Semente da Conquista. Objetivos Formativos. Abelardo Luz, 2015.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Movimentos socioterritoriais e movimentos socioespaciais. Revista NERA, n. 6, 2005.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Sobre a tipologia de territórios. In: SAQUET, Marcos Aurélio; SPOSITO, Eliseu Savério (Orgs.). Territórios e Territorialidades. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREITAS, Luiz Carlos de. A luta por uma pedagogia do meio: revisitando o conceito. In: PISTRAK, Moisey Mikhaylovich (org.). A Escola-Comuna. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

KRUPSKAYA, N. K. A construção da Pedagogia Socialista. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

MST PR (org). Plano de Estudos: Escolas Itinerantes do Estado do Paraná. Cascavel, 2013.

NARKOMPROS. A Educação na República dos Soviets: programas oficiais, SP: Editora Nacional, 1935.

PISTRAK, Moisey Mikhaylovich. Fundamentos da Escola do Trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2000.

PISTRAK, Moisey Mikhaylovich. (org.). A Escola-Comuna. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

PISTRAK, Moisey Mikhaylovich. Ensaios sobre a escola politécnica. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

PISTRAK, Moisey Mikhaylovich. Fundamentos da Escola do Trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

SHULGIN, Viktor Nikholaevich. Rumo ao Politecnismo, 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

Publicado

2021-10-30

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns