Escola Sem Partido e as implicações para a democratização da educação

Autores

  • Paula Valim de Lima Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Vera Maria Vidal Peroni Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v20i44.4009

Palavras-chave:

Educação e Cidadania, Nova Ordem Mundial, Relações Econômicas e Cidadania,

Resumo

O presente artigo se propõe a discutir as implicações do Escola sem Partido (ESP) para a democratização da educação pública brasileira. O ESP é um movimento em defesa de uma lei que, sob a prerrogativa de combater a doutrinação política e ideológica nas escolas, cria mecanismos de censura aos professores aliados a uma determinada proposta de educação e de sociedade. A principal esfera de atuação do movimento é a proposição de projetos de lei nas Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas e no Congresso Nacional, propondo a instituição do chamado “Programa Escola Sem Partido”. A partir da análise é possível perceber que o ESP é um movimento essencialmente contraditório à democracia brasileira e à democratização da educação e busca, portanto, romper com a possibilidade de construção de uma educação emancipadora, vinculada aos valores sociais, políticos e culturais existentes na diversidade e que possibilitem uma prática democrática na escola.

Biografia do Autor

Paula Valim de Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduada em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Vera Maria Vidal Peroni, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação. Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul no Departamento de Estudos Especializados e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação. Pesquisadora produtividade CNPQ. Participa do grupo nacional de pesquisa sobre a relação entre o público e o privado na educação. Líder do Diretório Grupo de Pesquisa Estado e políticas públicas de Educação Básica. Sua pesquisa mais recente trata das “Implicações da relação público-privada para a democratização da educação”

Publicado

2018-09-07

Edição

Seção

ARTIGOS