Disciplinas semipresenciais como metodologia de ensino e aprendizagem na percepção da gestão

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v19i41.3702

Resumo

Este texto versa sobre uma pesquisa realizada de 2013 a 2015, sobre a implantação de disciplinas semipresenciais, na modalidade de Educação a Distância (EaD) utilizando-se 20% da carga horária total do curso, conforme Portaria nº 4.059/2004. A EaD como modalidade educacional surgiu com a Lei nº 9.394/96 – Lei de Diretrizes e Bases (LDB), regulamentada pelo Decreto nº 5.622/2005. O objetivo foi analisar a implantação dessa modalidade como metodologia de ensino na percepção da Pró-Reitora de Ensino, de alunos e professores de sete cursos de licenciatura, de uma Universidade Comunitária em Santa Catarina. A metodologia da pesquisa consistiu na observação, em registros dos encontros com professores e alunos e de dados do setor de Avaliação Institucional, além da pesquisa bibliográfica/documental para a fundamentação teórica. Foi possível observar a resistência dos alunos no início dos cursos; porém, no processo, os estudantes foram se revelando receptivos quanto ao uso de recursos tecnológicos e a liberdade de estudar em horários alternativos e que o perfil do professor era determinante no processo. Quanto aos professores resistentes a EaD, demonstravam sua rejeição aos alunos e, quanto maior tempo de docência, maior a resistência.

Downloads

Publicado

2017-08-01

Edição

Seção

CAMINHOS ABERTOS