O DIÁLOGO DE SABERES SOCIOAMBIENTAIS COMO ALTERNATIVA PARA A CRIAÇÃO DE UM MUNDO POSSÍVEL EM TEMPOS DE CRISE CIVILIZATÓRIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22295/grifos.v31i56.6255

Palavras-chave:

Diálogo de saberes; Modos de vida; educação ambiental; Saberes tradicionais.

Resumo

O tempo de crise civilizatória que vivemos requer um grande esforço para que possamos superá-lo. As alternativas são várias e apontam para necessárias rupturas em nossos modos de agir e pensar sobre a vida na Terra. Neste texto, destacaremos os avanços e possíveis formas de diálogo de saberes socioambientais e que nos induzem ao (re)conhecimento de múltiplos saberes, que não apenas aqueles do universo acadêmico; por isso, a necessidade de um diálogo que passa pela compreensão de outro mundos possíveis, ou seja, das realidades vividas por povos originários, populações tradicionais, camponeses, até os saberes eclesiásticos ou de suas lideranças que apontam para o buen vivir. Para tanto, traremos uma discussão atualizada sobre o que se entende por diálogo de saberes socioambientais e a sua intrínseca ligação com a educação ambiental – não aquela que meramente está presente em componentes curriculares, mas como modo de se viver no mundo – e também o tema do diálogo a partir da Encíclica Laudato Si’, tendo em vista as importantes manifestações do Papa Francisco no cenário atual. Encerramos com a afirmação de que as respostas para os problemas atuais estão nos modos de vidas que acenam para um sistema socioeconômico não capitalista.

Biografia do Autor

Antonio Marcio Haliski, Instituto Federal do Paraná

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente do Programa de Pós-graduação em Ciência Tecnologia e Sociedade do Instituto Federal do Paraná – Paranaguá/PR (PPGCTS).

Rogério Baptistella, Instituto Federal do Paraná - IFPR

Doutor em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Professor do Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade (PPGCTS) do Instituto Federal do Paraná – Paranaguá. E-mail: Rogério.baptistella@ifpr.edu.br

Referências

ACOSTA, A. o Buen vivir: uma oportunidade de imaginar outro mundo. In: Um campeão visto de perto: uma análise do modelo de desenvolvimento brasileiro. (org) Heinich Böll Stiftung, 2012.

BACON, F. Novum Organum ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza. Trad Aluysio Reis de Andrade. São Paulo: Nova Cultural, 2005. (Col. Os Pensadores).

BÍBLIA. Português. Tradução de Padre Antônio Pereira Figueredo. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica, 1980. Edição Ecumênica.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Editora Cultrix, 2006.

COSTA, G. FOGLIZZO, PAOLO. Laudato Si’: un’enciclica poliedro, in la Rivista del clero Italina, 7-8 (2015), 485-496.

DESCARTES, R. Discurso do Método. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultura, 2005. (Col Os Pensadores).

FLORIANI, D. Conhecimento, meio ambiente & globalização. 1ª ed. (2004), 4ª reimp. Curitiba: Juruá, 2008.

FLORIANI, D. Desafios epistemológicos para o pensamento socioambiental contemporâneo: a produção do conhecimento institucional e sua relação com os demais saberes e práticas. Revista Guaju, 2016.

________. Las ciências sociales en America Latina: lo permanente y transitorio, preguntas y desafíos de ayer y hoy. Revisat Latinoamericana – Polis, 2015.

FLORIANI, N. Avaliação das terras pelos agricultores ecológicos de Rio Branco do Sul-PR: uma abordagem geo-sócio-agronômica da paisagem rural. (Tese- Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento-UFPR), 2007.

FOGLIZZO, Paolo. Un’economia per la cura dela casa comune. Rivista Aggiornamenti Sociali. Agosto-settembre 2016, pp. 996-603.

FRANCISCO, Papa. Carta Encíclica Laudato Si’: sobre o cuidado da casa comum. São Paulo :Paulinas, 2015.

FRANCISCO, Papa. Exortação Apostólica Evangelii Gaudium., 24. Disponível em <http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20131124_evangelii-gaudium.html>, acessado em 20/06/2019.

FRANCISCO, Papa.Discurso.< http://consciencia.net/discurso-papa-francisco-aos-participantes-encontro-mundial-de-movimentos-populares/>, acessado dia 26/06/2019.

GUDYNAS, E. La senda biocéntrica: valores intrínsecos, derechos de la naturaleza y justicia ecológica. Tabula Rasa, Bogotá, n. 13, p. 45-71, julio-diciembre, 2010.

GUISO, A. Potenciando la Diversidad: Diálogo de saberes, una práctica hermenéutica colectiva. Medellín, Febrero, 2000.

HALISKI, A. M. Arranjo produtivo local das Gêmeas do Iguaçu: uma alternativa para o desenvolvimento territorial? Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-graduação em Ciências Aplicadas, UEPG), 2007.

________. Formação e atualidade histórica de um grupo de agricultores entre Santa Catarina e Paraná: disputas sobre os usos da natureza e ambiente. Programa de pós-graduação em Sociologia (Tese), UFPR,2013.

HALISKI, A. M.; MACHADO, M. L.; HALISKI, V. C. F.; MARTINS, P. Um convite à extensão nas ilhas: entre a realidade e os desafios de prática pedagógica para licenciados de ciências sociais. Revista Conexão UEPG, 2016.

JUNGES, José Roque. Ética ecológica: antropocentrismo ou biocentrismo?. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 33, n. 89, p.33-66, 2001.

LEFF, E. Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. In: Educação & Realidade. p.17-24, set./dez. 2009.

_______. Epistemologia Ambiental. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

_______. Racionalidad ambiental y diálogo de saberes: sentidos y senderos de un futuro sustentable. In: Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 7, p. 13-40, jan./jun. Editora UFPR, 2003.

_______. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

LUNA, E. P.; MOYA, N. A. Dialogo de saberes y proyectos de investigación en la escuela. In: Educere: artículos arbitrados. Año 12, nº42, p. 455-460, jul./ago./set. 2008.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Amazônia, encruzilhada civilizatória: tensões sociais em curso. 1 Ed, Rio de Janeiro, Consequência Editora, 2017.

LEWITZKI, T. Nova Cartografia Social dos Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil - conhecimentos tradicionais e mobilizações políticas: o direito de afirmação da identidade de benzedeiras e benzedores, municípios de Rebouças e São João do Triunfo, Paraná. Boletim Informativo. Projeto Nova Cartografia Social dos Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil, Alfredo Wagner Berno de Almeida... [et al]. Manaus: Editora da Universidade do Estado do Amazonas, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez 2005.

_______. Para uma Sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: Conhecimento Prudente para uma vida decente: Um discurso sobre as ciências revisitado (org) Boaventura de Sousa Santos. São Paulo: Cortez, 2004.

SCHAVELZON, S. Plurinacionalidad e vivir bien/buen vivir: dos conceptos leídos desde Bolívia y Ecuador post-constituyentes. Ediciones Abya-Yala, 2015.

SILVA, S. R. Ética pública e formação humana. Educação e Sociedade -Campinas, vol. 27, n. 96 - Especial, p. 645-665, out. 2006.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Imagens da natureza e da sociedade. In: A inconstância da alma selvagem: e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002

Publicado

2021-12-17

Edição

Seção

Artigos