Inovação e inclusão produtiva na agricultura familiar do Tocantins

Autores

  • Diego Neves de Sousa Embrapa Pesca e Aquicultura http://orcid.org/0000-0003-3124-5150
  • Paulo André Niederle Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Flavia Charão-Marques Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Alexandre Aires de Freitas Embrapa Pesca e Aquicultura

DOI:

https://doi.org/10.22295/grifos.v27i45.4332

Palavras-chave:

Comunidade Local, Praia do Atalaia, Capacidade de Carga Turística, Turismo

Resumo

Este artigo analisa a construção de um referencial sobre inclusão produtiva a partir das oficinas temáticas do Programa Nacional de Inovação e Sustentabilidade na Agricultura Familiar no Estado do Tocantins. O objetivo é compreender qual concepção de inclusão produtiva tem sido produzida nestes espaços públicos de ação da política. A metodologia envolveu análise documental e observação participante entre 2014 e 2015. Os resultados apontam que as oficinas criaram um ambiente de integração e compartilhamento de expectativas, o que pode corroborar com a formação de nichos de inovação e espaços de concertação para a promoção da inclusão produtiva dos agricultores familiares. Ao mesmo tempo, demonstra que as principais demandas em termos de inclusão apontam para uma concepção direcionada pelos princípios atinentes à modernização da agricultura.

Biografia do Autor

Diego Neves de Sousa, Embrapa Pesca e Aquicultura

Doutorando em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É mestre em Extensão Rural e bacharel em Gestão de Cooperativas, ambos pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Tenho interesse em temas de pesquisa na área de Organização Social e Produtiva, Educação Cooperativista, Comunicação para Transferência de Tecnologia, Políticas Públicas da Agricultura Familiar e estudos sobre Extensão Rural e Pesqueira.

Paulo André Niederle, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor do Departamento de Sociologia e dos Programas de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) e em Desenvolvimento Rural (PGDR) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutor em Ciências Sociais (CPDA/UFRRJ, 2011) com doutorado-sanduíche pelo CIRAD-Montpellier (UMR Innovation) / Universidade de Lyon II. Engenheiro Agrônomo (FAEM/UFPEL, 2005) e Mestre em Desenvolvimento Rural (PGDR/UFRGS, 2007). Atualmente é coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural (GEPAD-UFRGS), coordenador do GT de Agricultura Familiar e Ruralidade da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural (SOBER), membro do Grupo de Trabalho sobre Segurança Alimentar da CLACSO/FAO, representante da América Latina no Research Committee on Agriculture and Food (RC 40) da International Sociological Association (ISA), membro do Grupo de Investigadores em Políticas Públicas para a Agricultura Familiar (GIPPAF) da REAF-Mercosul, pesquisador da Red Políticas Públicas na América Latina (Red PP-AL). Possui experiência nas áreas de sociologia econômica, sociologia rural e economia institucional, tendo atuado principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento rural, dinâmica da agricultura familiar, mercados agroalimentares, convenções de qualidade, instituições e regulação econômica, indicações geográficas e redes alimentares alternativas.

Flavia Charão-Marques, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atuando junto à Faculdade de Agronomia e ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR). Doutora em Desenvolvimento pelo PGDR/UFRGS (2009), tendo realizado estágio doutoral, como bolsista da CAPES, junto ao Rural Sociology Group, Wageningen University (Holanda). Junto ao PGDR/UFRGS, durante o ano de 2010, desenvolveu projeto de pós-doutorado com apoio do Programa Nacional de Pós Doutorado da CAPES, atuando em atividades de ensino e pesquisa. Desenvolveu atividades de pesquisa e docência na Universidade de Passo Fundo (UPF) e na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS); e de gestão em políticas públicas na Secretaria de Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul. Atualmente, faz parte dos Grupos de Pesquisa Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural (GEPAD-UFRGS) e Alimentação e Cultura (GEPAC-Universidade Federal de Pelotas-UFPel). Seus estudos e esforços de pesquisa são mobilizados pela temática da sustentabilidade no desenvolvimento, e suas linhas de pesquisa são ?Dinâmicas Sociotécnicas na Agricultura? e ?Conhecimento, Inovação e Ação Social no Mundo Rural

Alexandre Aires de Freitas, Embrapa Pesca e Aquicultura

Possui graduação em Engenharia Agonômica (1995) e mestrado em Agronomia - Irrigação e Drenagem (1999), ambos pela Universidade Federal do Ceará (1999). Atualmente é empregado da Embrapa, lotado na unidade Embrapa Pesca e Aquicultura na área de transferência de tecnologia, exercendo atualmente as funções de chefe geral, chefe adjunto de transferência de tecnologia, presidente do comitê local de propriedade intelectual-CLPI, membro do Comitê Técnico Interno-CTI. Foi Secretário de Agricultura e Recursos Hídricos do município de Canindé/CE e Secretário de Agricultura e Meio Ambiente do município de Itaitinga/CE. Exerceu docência no curso de Tecnólogo em Irrigação e Drenagem do Instituto Centec/CE e foi consultor do Sebrae/CE. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Extensão Rural, Gestão Rural, e Projeto e manejo de Irrigação.

Publicado

2018-12-21

Edição

Seção

Dossiê Questões Rurais e Políticas Públicas