O microcrédito urbano que nasce da solidariedade do microcrédito rural: o caso da Solcredi

Autores

  • Luiza Maria da Silva Rodrigues Instituto de Formação do Cooperativismo Solidário (Infocos)
  • Francieli Pilati Gervasoni Instituto de Formação do Cooperativismo Solidário (Infocos)
  • Norma Kiyota Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR/Pato Branco)

DOI:

https://doi.org/10.22295/grifos.v26i42.3857

Resumo

As operações de crédito ao longo da história foram responsáveis pelo estímulo e crescimento das economias no mundo todo. De certa forma, obter crédito significa confiança que alguém ou uma ins-tituição financeira deposita nas intenções do financiado. Contudo, com o encarecimento do dinheiro, as altas taxas e a exigência de garantias que dificultam cada vez mais o acesso, populações mais caren-tes têm encontrado nas microfinanças a oportunidade de retomar suas relações de confiança e manter ativas suas relações econômicas. No sudoeste do Paraná, os agricultores familiares, já acostumados a operar com microcrédito através das Cooperativas de Crédito Rural com Interação Solidária (Cre-sol), passaram, a partir de 2012, a possibilitar microfinanças urbanas para trabalhadores que operam como autônomos ou na informalidade e não possuem acesso a créditos subsidiados oficiais em redes bancárias convencionais. Dessa forma, replicaram a experiência da “solidariedade financeira” vivida para acessar o crédito rural nos anos 1990.

Biografia do Autor

Luiza Maria da Silva Rodrigues, Instituto de Formação do Cooperativismo Solidário (Infocos)

Mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR/Pato Branco), analista de Relações Cooperativas do Instituto de Formação do Cooperativismo Solidário (Infocos).

Francieli Pilati Gervasoni, Instituto de Formação do Cooperativismo Solidário (Infocos)

Mestre em Desenvolvimento Rural Sustentável, pela Universidade Estadual Oeste do Paraná (Unioeste/Marechal Cândido Rondon), analista pedagógica do Instituto de Formação do Cooperativismo Solidário (Infocos).

Norma Kiyota, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR/Pato Branco)

Doutora em Desenvolvimento Rural, docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR/Pato Branco).

Publicado

2017-09-15

Edição

Seção

Artigos