ESTUDO ANALÍTICO DO MAPEAMENTO DE EMPRESAS BRASILEIRAS COMPROMETIDAS COM A AGENDA 2030 DA ONU

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v15i2.6604

Palavras-chave:

Agenda 2030. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Pacto Global.

Resumo

Objetivo: analisar o perfil e as tendências das organizações brasileiras comprometidas com a Agenda 2030 a partir do mapeamento das signatárias do Pacto Global das Nações Unidas (Rede Brasil).

Método/abordagem: o artigo realiza uma pesquisa bibliográfica com o intuito de reunir referencial teórico sobre o Pacto Global da ONU para a Agenda 2030 e sua interlocução com as organizações, complementada com uma análise descritiva em torno do mapeamento das organizações brasileiras signatárias do Pacto.

Principais resultados: até julho de 2019, 838 organizações haviam aderido ao Pacto no Brasil: o primeiro setor representava 13,4% do total, o segundo, 62,3%, e o terceiro, 24%. Observa-se grande taxa de adesão de grandes empresas, com mais de mil funcionários, e, também, de organizações não governamentais.

Contribuições metodológicas/sociais/gerenciais: as principais contribuições deste artigo apontam para o levantamento de referencial teórico e o mapeamento realizados, que permitem identificar tendências e posicionamentos das organizações que atuam no território nacional em relação aos ODS e à Agenda 2030. Consideram-se as organizações como geradoras de discursos sociais, que assumem uma persona corporativa e influenciam a opinião pública, especialmente os públicos com os quais interage.

Originalidade/relevância: este estudo se mostra original pois, além de realizar um mapeamento de todas as empresas e organizações brasileiras signatárias do Pacto Global, busca identificar as particularidades do contexto brasileiro em relação à implementação da Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Ferrari, Universidade de São Paulo (USP)

Livre-docente e professora dos programas de pós-graduação e graduação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP). Pesquisadora da área de comunicação intercultural, diversidade e cultura organizacional. E-mail: maferrar@usp.br

Raquel Cabral, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Doutora em Comunicação e mestre em Estudos Internacionais de Paz, Conflitos e Desenvolvimento pela Universitat Jaume I (UJI), Espanha. Pós-doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) e graduada em Relações Públicas pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). E-mail: raquel.cabral@unesp.br

Jorge Salhani, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Mestre em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e em Jornalismo de Agência pela Universidad Carlos III de Madrid (UC3M) e Agencia EFE. Graduado em Jornalismo pela Unesp. E-mail: jorge.salhani@unesp.br

Referências

Alves, A. L. C. (2011). Gestão de organizações não governamentais. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/98578

Arapé Copello, E., & Rojas, L. R. (2008). Estudiantes: comunicación y cultura de paz. ORBIS – Revista Científica Electrónica de Ciências Humanas, 11(4), 28-65.

Cabral, R., Gonçalves, G. & Salhani, J. (2018). Violência organizacional: reflexões a partir da perspectiva dos estudos para a paz. Revista Organicom, 15(28), 247-265. https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2018.150586

Ferrari, M. A. & Cabral, R. (2018). Comunicação, Estudos para a Paz e Violência Organizacional: uma perspectiva crítica. Revista Organicom, 15(28), 12-19. https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2018.150590

Galtung, J. (1990). Cultural violence. Journal of Peace Research, 27(3), 291-305.

Fuentes Martínez, S. I. (2018). Involucramiento de las organizaciones en la construcción de paz. Revista Organicom, 15(28), 189-205. https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2018.150580

Hudson, M. (1999). Administrando Organizações do Terceiro Setor: o desafio de administrar sem receita. São Paulo: Makron Books.

Lima, E. O., Stettiner, C. F. & Ferreira Jr., F. (2021). Balanço social e o “full disclosure” no terceiro setor. Revista de Tecnologia Aplicada, 10(1), 23-39.

Organização das Nações Unidas (1999, 6 out.). 53/243. Declaration and Programme of Action on a Culture of Peace. http://cpnn-world.org/resolutions/resA-53-243B.html

Pacto Global das Nações Unidas (2018, ago.). Integrating the SDGs into corporate reporting: a practical guide. https://www.unglobalcompact.org/docs/publications/Practical_Guide_SDG_Reporting.pdf

Pacto Global das Nações Unidas (s.d. a). A Iniciativa. https://www.pactoglobal.org.br/a-iniciativa

Pacto Global das Nações Unidas. (s.d. b). ODS. https://www.pactoglobal.org.br/ods

Podrecca, M., Sartor M., & Nassimbeni, G. (2021). United Nations Global Compact: Where are we going? Social Responsibility Journal, em publicação. https://doi.org/10.1108/SRJ-06-2020-0261

Relatório Luz da Sociedade Civil para a Agenda 2030 (2021). https://brasilnaagenda2030.files.wordpress.com/2021/07/por_rl_2021_completo_vs_03_lowres.pdf

Salamon, L. (1998). A emergência do terceiro setor: uma revolução associativa global. Revista de Administração, 33(1), 5-11.

Publicado

2022-04-01