REDES DE SERVIÇOS HOSPITALARES: GOVERNANÇA COMO PRÁTICA DE CONTROLE E REGULAÇÃO DOS PROCESSOS BUROCRÁTICOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v15i2.6427

Palavras-chave:

Práticas de Controle. Poder. Serviços de Saúde.

Resumo

Objetivo: Este artigo tem como objetivo analisar o perfil da governança no setor hospitalar.

Método / abordagem: A abordagem da pesquisa se caracteriza por utilizar o método dedutivo, de natureza aplicada e caráter exploratório de abordagem qualitativa, apoiada em um estudo multicasos em redes de serviços hospitalares. A coleta de dados envolveu três diferentes técnicas:  entrevista semiestruturada com gestores das instituições, aplicação de questionário junto aos funcionários e análise de documentação interna das instituições.

Principais resultados: Os principais resultados da pesquisa indicam que as categorias que se referem aos procedimentos de controles do comportamento e do processo são os mais valorizados em detrimento dos aspectos que se voltam para os relacionamentos sociais como fatores estratégicos promotores da confiança e/ou comprometimento.

Contribuições do estudo: A pesquisa apresenta como contribuição gerencial e teórica o entendimento de que governança da área da saúde está direcionada a práticas de controle e exercício de poder e regulação de processos burocráticos.

Originalidade / relevância: A relevância da pesquisa se estabelece pelo esclarecimento de uma lacuna no entendimento da governança na área da saúde hospitalar, que conforme os dados desta pesquisa, apresenta diferenças em relação aos outros setores da economia.

Biografia do Autor

Cristiane Fernandez Veloso, Universidade Paulista - UNIP

Graduação em Administração pelo Centro Universitário Anhanguera (2010). Especialização em Saúde Coletiva com ênfase em Saúde da Família pela Universidade Nove de Julho (2012). Mestrado em Administração pela Universidade Paulista - UNIP (2016). Atualmente desenvolvendo serviços em Gestão Hospitalar da Rede Pública de Saúde pela Fundação ABC

Roberto Bazanini, Universidade Paulista UNIP

Possui graduação em Administração de Empresas pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (1982), graduação em Pedagogia - Faculdades Associadas Senador Flaquer (1985), graduação em Filosofia - Faculdades Associadas Ipiranga (1988), mestrado em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (1993), doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998) e pós-doutorado em Comunicação e Cultura pela Universidade Paulista - UNIP (2015). Autor de mais de dez livros e 60 artigos científicos relacionados as interfaces da filosofia com a gestão empresarial e a comunicação mercadológica, particularmente na perspectiva social das redes. O ultimo livro "Filosofia e Ética nas ciências sociais aplicadas: Estratégias e Lógica da Inteligência Competitiva" foi publicado em abril de 2014. Desde 2002 é professor titular do Programa de Mestrado em Administração na Universidade Paulista realizando pesquisas relacionadas às teorias do poder e o desenvolvimento sustentável na perspectiva social das redes de negócios (Campus Indianópolis) e professor de graduação do curso de Administração ( Campus Anchieta). É também desde 1996 professor concursado da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Atualmente leciona nos cursos de graduação em Administração, Comunicação e Engenharia da Instituição. Em 2005, o "Método Bazanini de ensino de filosofia" foi reconhecido internacionalmente na "Global on Engineering and Technology Education Conference".

Referências

Albers, S. (2010). Configurations of alliance governance systems. Schmalenbach Business Review, 62(3), 204-233. https://doi.org/10.1007/BF03396805

Andrade, F. M. M. (2009). O cuidado informal à pessoa idosa dependente em contexto domiciliário: necessidades educativas do cuidador principal. Tese de Doutorado. Portugal: Universidade do Minho Instituto de Educação e Psicologia. Recuperado de https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10460.

Balestrin, A., & Verschoore, J. R. (2008). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Barroso, J. (2005). O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação & Sociedade, 26(92), 725-751. https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000300002.

Bazanini, R., Margueiro, E., Donaire, D., & Mendes, K. R. N. (2017). Reflexões sobre as Concepções Clássicas de Poder nas Redes Interorganizacionais: Uma Proposta Conceitual para Futuros Estudos. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 10(1), 169-200. http://dx.doi.org/10.19177/reen.v10e12017169-200.

Begnis, H. S., Pedrozo, E. Á., & Vania de Fatima, B. E. (2008). Cooperação como estratégia segundo diferentes perspectivas teóricas. Revista de Ciências da Administração, 10(21), 97-121.

Bittencourt, R. J. (2010). A superlotação dos serviços de emergência hospitalar como evidência de baixa efetividade organizacional. 152 f. (Tese de Doutorado) Fundação FIOCRUZ - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro.

Börzel, T. A. (1998). Organizing Babylon‐On the different conceptions of policy networks. Public administration, 76(2), 253-273. https://doi.org/10.1111/1467-9299.00100

Bouteligier, S. (2012). Cities, networks, and global environmental governance: spaces of innovation, places of leadership. Oxfordshire: Routledge, 2012.

Calve, A., Nossa, V., Pagliarussi, M. S., & Teixeira, A. J. C. (2013). Governança aplicada aos Hospitais Filantrópicos do Espírito Santo. Revista Universo Contábil, 9(4), 128-143. http://dx.doi.org/10.4270/ruc.20139.

Cândido, A. C. (2018). Redes de colaboração das empresas de software: Estudo das práticas de inovação aberta. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 8(2), 145-161. http://dx.doi.org/10.21714/2236-417X2018v8n2p145.

Castells, M. (1999). A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura, v.1. São Paulo: Ed. Paz e Terra.

Cornforth, C. (2004). The governance of cooperatives and mutual associations: A paradox perspective. Annals of public and cooperative economics, 75(1), 11-32. https://doi.org/10.1111/j.1467-8292.2004.00241.x.

Correia, P. M. A. R., Mendes, I. D. O., & Bilhim, J. A. D. F. (2019). As redes de colaboração como fator inovador na implementação de políticas públicas. um enquadramento teórico com base na nova governação pública. Lex Humana, 11(2), 143-162.

Duflot, C. S. (2005). Gestão da Informação do Ambiente Externo em Organizações do Terceiro Setor. Perspectiva, ciência, informação, 10(1), 18-33.

Ernoul, L., & Wardell-Johnson, A. (2013). Governance in integrated coastal zone management: a social networks analysis of cross-scale collaboration. Environmental Conservation, 40(3), 231-240.

Ferreira, G. E., Kaiser, D. E., Duarte, Ê. R. M., & Ferla, A. A. (2016). Configurações contemporâneas do mundo do trabalho, proatividades e redes de colaboração em saúde. A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Rede UNIDA, p. 197-218.

Fijor, T., & Meza, M. (2013). Estratégia saúde da família: uma ferramenta para a governança comunitária. 1º Seminário de Planejamento e Desenvolvimento–UTFPR-Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba-PR.

França, C. R., de Carvalho, E. J. N., & Lino Jr, F. (2019). O processo produtivo em redes de colaboração em massa. Revista Eletrônica Ciências Empresariais, 10(14), 98-109.

Furtado, J. D. (2009). Os caminhos da educação ambiental nos espaços formais de ensino-aprendizagem: qual o papel da política nacional de educação ambiental? REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 22, 337-353.

Giglio, E., & Kwasnicka, E. (2005). O lugar do consumidor nos textos sobre rede. Brasília: Anais do Encontro da ANPAD, ENANPAD.Universidade de Brasilia, Brasilia, DF, Brasil.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA.

Grandori, A., & Soda, G. (1995). Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organization studies, 16(2), 183-214.

Granovetter, M. (1985). Economic action and social structure: The Problem of Embeddedness. American Journal of Sociology, 91(3), 481-510.

Gulati, R. (1998). Alliances and networks. Strategic management journal, 19(4), 293-317.

Hanssen, G. S., Mydske, P. K., & Dahle, E. (2013). Multi-level coordination of climate change adaptation: by national hierarchical steering or by regional network governance? Local Environment, 18(8), 869-887.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA (2010). A maior carência. Recuperador de: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_alphacontent&ordering=3&limitstart=5310&limit=10.

Iwai, T. (2016). A Interação de Contratos Formais e Informais na Decisão de Cooperação dos Agentes. Brazilian Business Review, 13(1), 48.

Jesus Soares, S. (2019). Pesquisa Científica: uma abordagem sobre o método qualitativo. Revista Ciranda, 1(3), 168-180.

Kohtamaki, M., Vuorinen, T., Varamaki, E., & Vesalainen, J. (2008). Analysing partnerships and strategic network governance. International journal of networking and virtual organisations, 5(2), 135-154.

Macedo, S. B. (2020). Quantos pontos são necessários? Um estudo comparativo de escalas Likert, do tipo Likert e semântica. Revista Horizontes Interdisciplinares da Gestão, 4(2), 104-119.

Machado Júnior, C., Mantovani, D. M. N., & Viana, A. B. N. (2021). Public health in times of crisis: An overlooked variable in city management theories? Sustainable Cities and Society, 66, 1-10, 102671. https://doi.org/10.1016/j.scs.2020.102671

Menezes, K. C., Johann, J., Valentim, P. P., & Scott, P. (2017). Gestão do conhecimento nas organizações: uma aprendizagem em rede colaborativa. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 7, 145-159.

Mueller, E. (2012). How to manage networks? The role of network attributes and incentives in network governance. International Journal of Entrepreneurship and Small Business 9, 15(1), 57-75.

Nonaka, I., & Konno, N. (1998). The concept of “Ba”: Building a foundation for knowledge creation. California management review, 40(3), 40-54.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Campus.

Oliveira Casimiro, L. A., & Lago, S. M. S. (2018). Caracteristicas Dos Gestores No Processo De Tomada De Decisão Estratégica Em Organizações: Uma Revisão Sistemática. Revista Inteligência Competitiva, 8(4), 70-88.

Polanyi, K., Arensberg, C. M., & Pearson, H. W. (1957). Trade and Market in the Early Empires. Economies in History and Theory. Glencoe: Press: Indian Hills.

Ramos-Vidal, I. (2018). Determinantes de la formación de redes interorganizativas en el sector cultural. Revista de Administração de Empresas, 58(1), 16-29.

Resende, L. M. M., Volski, I., Betim, L. M., de Carvalho, G. D. G., De Barros, R., & Senger, F. P. (2018). Critical success factors in coopetition: Evidence on a business network. Industrial Marketing Management, 68, 177-187.

Rhodes, R. (1997). Understanding Governance: Policy Networks, Governance, Reflexivity and Accountability. Buckingham y Philadelphia: Open University Press.

Rodrigues, A. L., & Malo, M. C. (2006). Estruturas de governança e empreendedorismo coletivo: o caso dos doutores da alegria. Revista de Administração Contemporânea, 10(3), 29-50.

Rosa Silva, M., & Christofoletti, R. (2018). Novas experiências de jornalismo no Brasil: potências e limites para uma nova governança social. LÍBERO, 21(41), 155-171.

Ruthes, R. M., & Cunha, I. C. K. O. (2007). Os desafios da administração hospitalar na atualidade. Revista de Administração em Saúde, 9(35), 93-102.

Santos, L. T., & Soares, F. M. A. (2017). Práticas de controle físico e simbólico no centro de Belo Horizonte. Farol-Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4(11), 1578-1626.

Scarpin, M. R. S., Machado, D. D. P. N., Mondini, V. E. D., & Gomes, G. (2018). Produção científica de inovação no Brasil: uma análise sob a ótica das redes sociais. Revista de Administração da UFSM, 11(1), 19-39.

Schimith, M. D., Simon, B. S., Brêtas, A. C. P., & Budó, M. D. L. D. (2011). Relações entre profissionais de saúde e usuários durante as práticas em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 9(3), 479-503.

Shove, E., Watson, M., & Spurling, N. (2015). Conceptualizing connections: Energy demand, infrastructures and social practices. European journal of social theory, 18(3), 274-287.

Silva, M. Z., Moretti, B. R., & Schuster, H. A. (2016). Avaliação da eficiência hospitalar por meio da análise envoltória de dados. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 5(2), 100-114.

Teixeira, J. C., Nascimento, M. C. R., & Carrieri, A. D. P. (2012). Triangulação entre métodos na administração: gerando conversações paradigmáticas ou meras validações" convergentes"? Revista de Administração Pública, 46(1), 191-220.

Theurl, T. (2005). From corporate to cooperative governance. In: Theurl, T. Economics of Interfirm Network. Tubingen: Mohr Siebeck, p. 149-192.

Vieira, J. B., & Barreto, R. T. D. S. (2019). Governança, gestão de riscos e integridade. Brasília: Enap, 2019. Disponível em: http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/4281.

Vignochi, L., Gonçalo, C. R., & Rojas Lezana, Á. G. (2014). Como gestores hospitalares utilizam indicadores de desempenho? Revista de Administração de Empresas, 54(5), 496-509.

Williamson, O. E. (1981). The economics of organization: The transaction cost approach. American journal of sociology, 87(3), 548-577.

Publicado

2022-05-10